O dia em que o escorpião morreu com o próprio veneno


Marisa Fonseca Diniz



O escorpião é um animal invertebrado artrópode, carnívoro com hábitos noturnos, onde caçam e reproduzem. Suas presas são detectadas por meio de vibrações no solo, no ar e por sinais químicos, que são percebidos através da sensibilidade de seus pelos distribuídos nas pinças e patas.

O escorpião imobiliza suas vítimas por meio do veneno que fica localizado na extremidade do metassoma, ou seja, na parte final do abdômen, a cauda. O último anel abdominal conhecido por teslo constitui a base do ferrão e contém a vesícula, que possui um par de glândulas que reproduzem e armazenam os mais variados componentes do veneno. Ao dar a ferroada em suas vítimas, o escorpião regula a quantidade de veneno injetado através da contração dos músculos da vesícula, embora as vítimas antes de receberem o veneno são agarradas e cravadas com o ferrão.

Assim como os escorpiões usam esta tática fria e calculista para imobilizar e matar suas vítimas, assim são as atitudes de alguns seres humanos, quando da intenção de causarem mal aos outros. Infelizmente, nos dias atuais algumas pessoas são providas de maldade, pois perderam completamente o senso do certo e do errado passando a ter atitudes completamente indecorosas.

Mentem descaradamente por seus próprios interesses, invejam situações e pessoas que julgam ser um empecilho, e na pior das hipóteses prejudicam a vida dos outros sem o menor pudor, apenas pelo prazer do sofrimento alheio. Este prazer em prejudicar é característica de pessoas com desequilíbrios comportamentais, que assim como os escorpiões possuem táticas frias, manipulativas, dissimuladas e maquiavélicas para acabar com a vida profissional ou pessoal de suas vítimas.

Os transtornos de personalidade são doenças psiquiátricas, onde os traços emocionais e comportamentais são inflexíveis e mal ajustados. Aparecem precocemente durante o desenvolvimento individual sob a influência de diversos fatores, sejam constitucionais, sociais ou existenciais.

No caso das pessoas dissimuladas, o comportamento passa do compreensível, em geral elas se aproximam de suas vítimas com toda sutileza possível, sempre muito prestativa, simpática, sedutora, conquistadora, amiga, elogiam, falam muito bem da pessoa que estão se aproximando e passam a impressão de que admiram o trabalho e o caráter de seus interlocutores, porém não se enganem, porque no fundo são pessoas extremamente egoístas e desprovidas de caráter, e mantêm estas atitudes apenas até conseguirem a confiança daqueles que querem tirar algum proveito.

Os indivíduos dissimulados querem levar vantagem em tudo, sejam através de suas intenções comerciais, sociais, pessoais ou amorosas, não importa, desde que eles possam se beneficiar com algo. O comportamento do indivíduo dissimulado é extremamente sutil, ou seja, por mais que a vítima seja uma pessoa atenta ou inteligente, não consegue de imediato perceber as estratégias aplicadas por eles, pois gostam de enfatizar a todo tempo que são pessoas honestas e de boa formação familiar desviando qualquer tipo de condição de desconfiança.

Quando os dissimulados conquistam a confiança de suas vítimas se tornam pessoas frias, fingem sentimentos são intensos tentando tirar proveito de todas as situações que julgam lhe trazer algum tipo de benefício financeiro, influência, ou queiram simplesmente carona no sucesso alheio, além de serem exímios larápios.

O dissimulado é um mentiroso contumaz, maldoso, invejoso, habilidoso e com falta grave de caráter. Quando descoberto se faz de vítima, distorce a situação e falsamente faz com que o interlocutor seja considerado o problemático e desajustado da relação, pois jamais assume seus erros ou responsabilidade.

Quando questionado da situação por terceiros, se diz injustiçado, e conta histórias fantasiosas, sempre se colocando como a vítima da situação que ele mesmo arma sendo extremamente falso em suas afirmações. Outra característica típica dos seres dissimulados quando de situações que envolvem dinheiro é de se eximir das responsabilidades, nunca pagam o que devem ou roubam, tendem a jogar a culpa nos interlocutores que julgam que o prejudicaram, ou seja, distorcem a realidade para que as pessoas que estão fora da situação os achem vítimas, e não pérfido.

O dissimulado é sempre aquele indivíduo incoerente em suas  afirmações, onde agrada a pessoa pela frente e pelas costas fala mal de todos,  seja no meio profissional ou pessoal. Todo cuidado é pouco com pessoas que chegam de mansinho e ficam falando mal de outras pessoas ou querem convencer de que as pessoas do seu convívio não prestam ou não são confiáveis, pois é uma das estratégias utilizadas pelos dissimulados para afastar a vítima das outras pessoas e fazê-las ficarem dependentes deles. Quem fala muito mal dos outros na grande maioria são pessoas dissimuladas.

Não se engane, pois pessoas dissimuladas são perigosas e quando sentem que estão sendo descartadas tendem a ficarem muito mais agressivas em seus atos, não medindo esforços para prejudicar quem quer que seja. O dissimulado mostra-se ser sempre muito prestativo além do normal, e tem o hábito de falar no diminutivo. São muito exagerados, possuem andar oponente e não poupam ninguém, nem mesmo os familiares.

O alvo principal dos dissimulados são pessoas que se destacam no meio em que vivem. Encontramos dissimulados em organizações empresariais, na família, no meio social, e podem estar em todos os lugares. Dentro das empresas sempre estão tentando derrubar alguém próximo à vítima tentando convencer que aquelas pessoas são falsas ou mentirosas, a fim de comover a vítima a se afastar em definitivo. Não raras vezes muitas pessoas são demitidas de suas funções devido a pessoas dissimuladas que fizeram de tudo para convencer superiores a descartá-las.

Identificar um dissimulado em qualquer meio de convívio é tarefa árdua, sendo importante observar como se comporta, se a linguagem verbal condiz com a realidade, avaliar o modo de aproximação e os reais interesses, se causa desconforto jogando uns contra os outros, comportam-se de maneira diferente com as pessoas, se tentam levar vantagem sobre algo, se falam no diminutivo, se querem ser 100% prestativos, busque referências para saber se a pessoa é um causador de problemas. Infelizmente, a maioria das pessoas só se dá conta do problema depois que sofreu diversos danos, seja no campo profissional, pessoal, familiar ou sentimental.

O melhor a fazer nestes casos é ignorar e sumir aos poucos do caminho do dissimulado até desaparecer por completo da vida dessas pessoas, pois só elas mesmo podem reconhecer que precisam da ajuda de um especialista, seja psiquiatra ou psicólogo, caso contrário eles irão morrer com o próprio veneno ou vão continuar criando mais e mais problemas.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho O dia em que o escorpião morreu com o próprio veneno de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://marisadiniznetworking.blogspot.com/2016/10/o-dia-em-que-o-escorpiao-morreu-com-o.html.








Energia Azul


Marisa Fonseca Diniz



Energia azul ou energia osmótica é aquela obtida pelo contato da água doce com a água salgada do mar através de uma membrana semipermeável. A energia é gerada por meio da concentração do sal que faz com que a pressão da água salgada aumente e a turbina seja acionada gerando dessa maneira a energia elétrica, esse processo é conhecido como Osmose Retardada por Pressão – ORP.

A energia azul é considerada sustentável por não gerar poluentes e por ser uma fonte inesgotável. Pesquisadores da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL) na Suiça desenvolveram um sistema de osmose que gera eletricidade através da água do mar, a água doce e uma membrana com apenas 3 átomos de espessura, ou seja, bem fina para separar os dois fluídos. Os resultados desta pesquisa podem ser encontrados na Revista Nature




O sistema da EPFL consiste de dois compartimentos cheios de água separados por uma membrana fina formada por nanoporos de dissulfureto de molibdênio através dela os íons da água do mar passam para a água doce até que os fluídos de sal fiquem igualados, à medida que os íons passam pelos nanoporos, os elétrons são transferidos para eletrodo que será responsável na geração de energia.

As propriedades da membrana permitem que os íons positivos possam empurrar a carga negativa criando assim uma tensão entre os dois líquidos, e é justamente esta tensão que faz com que a carga gerada pela transferência dos íons flutue. O potencial desse novo sistema é gigantesco, pois de acordo com os cálculos uma membrana de 1m2 com 30% da sua superfície coberta por nanoporos é capaz de produzir 1 MW de eletricidade, suficiente para abastecer 50.000 ampolas de poupança de energia convencional.


O molibdênio dissulfureto é facilmente encontrado na natureza e pode ser cultivado por deposição química do vapor, ou seja, o sistema seria exequível para a evolução da energia em grande escala. A energia azul é uma grande tendência sustentável em desenvolvimento, tanto é que há diversos projetos sendo desenvolvidos no Japão, Noruega, Holanda e Estados Unidos. Atualmente, as membranas que são utilizadas na geração de energia osmótica são orgânicas, frágeis, caras e de baixo rendimento. 



A primeira grande obra responsável pela produção de energia osmótica colocada em funcionamento no mundo foi construída em 2009 pela empresa Statkraft em Tofte, Noruega. 


Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Energia Azul de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.