O profissional “fura olho”


Marisa Fonseca Diniz


Você já ouviu falar no profissional “fura olho”? Não, então precisa começar a se preocupar e descobrir se na sua rede de contatos, principalmente do Linkedin você não possui ao menos uma meia dúzia desses indivíduos, que aparentemente parecem inocentes, mas que na verdade são perigosos.

O profissional “fura olho” é aquele que quer ser VOCÊ, sim, ele se considera muito melhor que você e se sente incomodado quando você se destaca mais do que ele, ou seja, ele é uma pessoa egocêntrica. O egocêntrico não mede esforços para chegar até as suas vítimas, são educados, comentam publicações, a fim de obterem holofotes para eles, e fica praticamente 24 horas por dia analisando tudo o que sua vítima faz para chegar o mais próximo possível de quem o incomoda.

Recentemente foi publicado no LinkedIn e em algumas redes profissionais e comerciais uma vaga para representante comercial (PJ), uma vez que, a empresa interessada nessa contratação intermédia negócios para terceiros, e tem a necessidade de ampliar o quadro de colaboradores comerciais.

Um profissional da área de engenharia civil com mais de 1000 seguidores na rede do Facebook, e 15000 seguidores na rede do LinkedIn se interessou em fazer parte deste quadro de colaboradores comerciais da empresa. O profissional em questão enviou o seu currículo profissional, onde a maior parte da sua experiência profissional era como representante comercial e corretor de imóveis, porém de imediato não houve interesse por parte da empresa em contratá-lo.

Não obstante fora agendado uma entrevista via skype para conhecer melhor o profissional bem como sua experiência e conhecimentos na área sustentável. Durante a entrevista foi observado e analisado que o profissional tinha omitido certas experiências adquiridas em empresas envolvidas em processos judiciais que envolvem o mau uso de dinheiro, danos a terceiros e corrupção, o que demonstrou total falta de ética por parte do profissional em questão.

Quando um indivíduo omite/mente sobre algo relevante em seu resumo profissional, ele passa as ser visto como uma pessoa não confiável. Após a entrevista, foi colocado ao entrevistado que se houvesse algum interesse por parte da empresa em recrutá-lo, o mesmo seria contactado. Porém, insistentemente este profissional ficou mais de três meses enviando mensagens para saber se a empresa iria contratá-lo para fazer parte do quadro de colaboradores comerciais.

Não satisfeito, tentou um recurso no qual todos os empresários e recrutadores, consideram desesperador, quando não, serve de análise para algo que não é considerado normal no mercado comercial. Começou a perseguir contumazmente um dos diretores da empresa, curtindo, comentando e compartilhando em suas redes todas as publicações, afim de que fosse visto seu real interesse em trabalhar para a empresa, o que acabou despertando uma atitude negativa.

Tudo que é demais enjoa, e demonstra falta de ética. Todas as empresas necessitam de um tempo para saber se o profissional interessado em agregar conhecimentos e experiências a um determinado quadro de colaboradores, mesmo sendo terceirizado, poderá ser apto ou não aos desafios diários enfrentados. Quando uma das partes força essa necessidade ao longo do processo, o fim poderá não ser agradável a ambos os interessados.

O profissional no decorrer deste tempo mudou no LinkedIn e Facebook seu perfil de corretor e representante comercial para gestor de negócios, e não satisfeito mudou sua atuação para área sustentável, porém com nenhuma experiência ou conhecimento técnico específico nesse segmento. Apesar de muitas pessoas acharem que a sustentabilidade é um modismo recente no Brasil, o assunto é sério, e deve ser tratado com cuidado, pois há muitos aventureiros que invés de ampliarem seus conhecimentos e repassarem isso adiante, tem ficado restritos a normas, técnicas e informações ultrapassadas.

A sustentabilidade na área da construção civil e energia renovável não é apenas um conjunto de certificações do tipo LEED, qualquer  profissional que queira fazer negócios sustentáveis de qualquer segmento precisa ter certificações específicas, que em geral são fornecidas por órgãos internacionais.

O que vem acontecendo no Brasil em tempos de crise econômica é uma legião de profissionais que se auto-intitulam conhecedores de técnicas e processos de gestão comercial da área sustentável, que não conhecem e tampouco aplicam a ética nas negociações. Para quem não sabe a ética é o quesito fundamental para qualquer negociação sustentável, quem não a aplica ou desconhece, jamais será visto com bons olhos no mercado nacional ou internacional, se dar bem à custa da ignorância alheia visualizando benefício próprio por meio de contatos ou negociações escusas não é nada ético, e sim corrupto.

Quem trabalha com serviços e materiais sustentáveis têm que ser acima de tudo ÉTICO, sem se esquecer que nesse quesito jamais poderá tentar se aproximar dos outros com outros interesses, como tentar saber por meios ilícitos quem são os fornecedores ou clientes da empresa no qual se está interessado em prestar serviços de representação comercial.

Retornando ao assunto anterior sobre a contratação do profissional, ele finalmente conseguiu a oportunidade que tanto almejava em prestar serviços comerciais à empresa devido à sua insistência. Mas, como nem tudo são flores, ele cometeu um erro no qual nenhum bom gestor de negócios (como ele mesmo faz questão de se auto-entitular) faria, permitindo que seu egocentrismo sobressaísse. Ambos os interessados, tanto o prestador de serviços, no caso aqui, o representante comercial, quanto à empresa devem ter um contrato firmado, porém não podem esquecer que um não trabalha dentro da empresa do outro e sim indiretamente, o que interessa apenas pesquisar se não há nenhum tipo de restrição no CNPJ/CPF ou processos judiciais que possam interferir de maneira negativa no exercício das atividades.

No caso, o prestador de serviços foi muito mais além, pesquisou dados não relevantes e antes mesmo de assinar o contrato tentou impor a necessidade de conversar e conhecer pessoalmente todos os integrantes e terceirizados da empresa, sem necessidade, afirmando que ele precisava se sentir seguro. Supostamente acreditava que poderia ocupar num futuro próximo um cargo mais importante, e assim os terceirizados seriam seus subalternos.

Felizmente seu plano não foi adiante, pois o jurídico da empresa abortou a possibilidade desse profissional fazer parte da empresa de forma direta ou indiretamente jogando seus planos egocêntricos por terra, antes mesmo de querer aprender alguma coisa sobre sustentabilidade na área da construção civil ou energia renovável, que sempre fez questão de deixar claro.

Lógico contrariado com a posição da empresa, que não assinou o contrato e alegou não ter interesses mais em tê-lo como colaborador, não mediu esforços para tentar denegrir a imagem da empresa e de seus diretores, optando em bloquear todos os contatos nas redes, o que demonstrou toda a sua falta de amadurecimento profissional ao receber um NÃO as suas imposições infindáveis.

O mais agravante neste sentido é a falta de bom senso dos seus seguidores em acatar todas as histórias que lhes são contadas, sem perceberem que possam estar sendo enganados por uma pessoa egocêntrica que não mede esforços para deturpar o certo e impõe sutilmente o erro em suas alegações, publicações e conversas, ou seja, muitas pessoas atualmente continuam sendo enganadas por manipuladores que tem o poder de ludibriar quem quer que seja.

O recado que deixo aqui é:

CUIDADO COM AQUELES QUE BATEM NO PEITO DIZENDO QUE SÃO HONESTOS, POIS QUEM DE FATO É NÃO PRECISA FICAR FALANDO ISSO A TODO O MOMENTO, POIS SUAS ATITUDES DEMONSTRAM ISSO.  

Outra observação que se faz necessário é não acreditem em tudo que lêem por aí, pois há muitas pessoas mal intencionadas querendo desesperadamente atenção para si. O papel aceita tudo inclusive muitas destas pessoas tem o péssimo hábito de fazerem cópias/plágios de artigos científicos ou de profissionais reconhecidos no meio sustentável, a fim de ter o reconhecimento alheio direcionados exclusivamente a eles.

Entendam, que pessoas importantes e de sucesso em seus segmentos de atuação não necessitam desesperadamente da atenção voltada a eles o tempo todo, não, os bem sucedidos preferem o anonimato, a vida de pavão pertence apenas aqueles que possuem baixa auto-estima e estão com sua vida comprometida em assuntos nada aceitáveis no meio profissional.

Vem à questão como uma pessoa carente de entendimento sustentável consegue escrever artigos sobre energia renovável ou sustentabilidade sem ter qualquer tipo de curso ou conhecimento técnico específico para passar adiante qualquer tipo de informação?

Pense bem sobre isso antes mesmo de seguir pessoas que não possuem nada a acrescentar, pois ter um diploma de graduação, pós-graduação, mestrado ou doutorado é fácil obter, o difícil mesmo é possuir conhecimentos que façam com que certas pessoas sejam um diferencial no mercado de trabalho. Não se deixe enganar por bajulação, que é uma das características principais de um verdadeiro “fura olho.”

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho O profissional “fura olho” de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
  

Você está preparado para ser substituído por um robô?


Marisa Fonseca Diniz



Nos últimos anos muito se tem falado sobre o fechamento de postos de trabalho ao redor do mundo como consequência da crise global, porém poucos têm percebido que apesar dos profissionais estarem cada vez mais se especializando em suas áreas de atuação, menos pessoas tem conseguido um emprego formal e estável.

A tendência é que ao longo dos próximos anos os postos de trabalho venham a ser substituídos gradualmente por robôs humanóides cada vez mais eficientes e com menor custo. Empresas de alta tecnologia têm investido cada vez mais em projetos de robótica, a fim de se adequar as novas tendências, além de fornecer produtos de alta qualidade que se adéqüem perfeitamente as exigências do mercado.

Wabot-1 foi o primeiro robô humanóide criado pela Universidade Waseda, Tóquio, em 1973. Ele se movia com as próprias pernas, possuía braços funcionais com sensores táteis e capacidade de responder perguntas simples, além de ter um sistema de visão com receptores para medias distâncias. Desde então, a tecnologia não tem parado mais, muitos outros robôs humanóides tem sido criados para executar desde funções simples até as mais complexas dentro das empresas, que antes eram efetuadas por seres humanos.

No passado, os cientistas falavam que não iria demorar muito tempo para que um dia os robôs invadissem as linhas de produção das grandes indústrias, porém atualmente isso já é uma realidade. Podemos presenciar nas ruas das grandes capitais mais avançadas ao redor do mundo carros que dirigem sozinhos, serviços de entregas feitos por robôs, robôs humanóides na recepção de hotéis e empresas, vendedores robôs, serpentes cirurgiãs, softwares cuidadores de idosos, máquinas robotizadas nas grandes linhas de produção industrial, entre tantos.

O pesquisador da Universidade de Oxford, Carl Frey, estudou a ascensão do trabalho computadorizado e previu que a automação colocaria 47% dos empregos dos americanos em risco elevado, e apesar de ter sido contestado por alguns entendidos no assunto, ele estava com a razão sobre esta afirmação. Os países que mais tem investido em tecnologia automatizada são os Estados Unidos, a Alemanha e o Japão.

O exercito americano, por exemplo, tem interesses em substituir diversas de suas tropas militares por veículos de controle remoto, a China é a maior compradora de robôs industriais no mundo, o Japão por sua vez, já utiliza muitos robôs na produção de carros, além de utilizar os robôs humanóides em diversas outras funções, a Índia, o México, países da Ásia e em desenvolvimento tem usado os robôs em diversos segmentos, ou seja, daqui alguns anos não haverá mais vagas de emprego para os seres humanos.

Enquanto muitas pessoas estão super valorizando suas experiências profissionais, não conseguem perceber que daqui alguns anos, não muitos, não haverá vagas de emprego disponíveis para todos, e as poucas que houverem serão disputadas com os robôs humanóides. Agora imagine disputar uma vaga com um robô humanóide dotado de inteligência, que tenha emoções, não reclame e seja multifuncional? É o sonho de todo empresário, eficiência sem custo financeiro com folha de pagamento.

Antes de criticar qualquer tipo de processo de recrutamento e seleção, comece a se reinventar e tomar novos rumos na carreira profissional. Perceba, que a maioria dos serviços bancários já são automatizados, o que significa que logo não haverá mais agências abertas com profissionais humanos para atender os correntistas e o público em geral.

Motorista será uma função extinta daqui a alguns anos, pois com a evolução da automatização, não apenas os carros como também os caminhões e ônibus poderão trafegar sem ninguém ao volante, tudo automatizado. Vendedor, recepcionista, agente imobiliário, bancário, operadores, entre tantas outras funções dos mais variados setores, industrial, varejo, construção civil, etc serão extintos.

Caso esteja achando tudo isso um absurdo, japoneses e chineses já fabricam bonecos (as) sexuais hiper-realistas, bebes, robôs cirurgiões, robôs músicos, entre tantos outros, que substituem perfeitamente os seres humanos, e detalhe nenhum deles sofrem de mau humor ou possuem má vontade para executarem suas atividades, além de serem fiéis aos seus comandos.

Reinvente-se porque o tempo passa rápido demais, e a tecnologia está cada dia mais avançada!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

 Licença Creative Commons
O trabalho Você está preparado para ser substituído por um robô? de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://marisadiniznetworking.blogspot.com/2017/02/voce-esta-preparado-para-ser.html.