Comportamento: “fobia social”


Marisa Fonseca Diniz



A fobia social ou o transtorno ansioso social é caracterizado por situações que expõem a pessoa a avaliações sociais. A ansiedade social é percebida principalmente em profissionais que são constantemente expostos a situações onde precisam interagir com outras pessoas. A tensão nervosa e o medo são características de pessoas que sofrem deste transtorno, pois quando observadas e avaliadas em suas atividades sociais se sentem reprimidas e acabam não desempenhando suas atividades diárias de maneira satisfatória.

Este comportamento acomete mais homens, e a partir da infância ou adolescência já podem ser percebidos os principais sintomas da doença. O ansioso social muitas vezes é confundido com o tímido,  quando observados em dinâmicas de grupo nas avaliações de seleção.

Sentir-se acanhado ou envergonhado quando na presença de outras pessoas é considerado normal, porém quando a timidez torna-se um problema patológico fazendo com que a pessoa sinta-se constantemente prejudicada pela intensa ansiedade gerada por seu comportamento, conclui-se que a pessoa é portadora deste distúrbio comportamental.

Profissionais de RH devem observar algumas características típicas deste tipo de comportamento apresentado, tais como: desconforto, forte sensação de ansiedade, tremor excessivo, terror em comunicar-se em público, entre outros. 
Os portadores deste transtorno quando observados escrevendo, por exemplo, sentem-se muito incomodados, pois a intensidade desta reação de ansiedade é desproporcional ao nervosismo apresentado por uma pessoa normal.

Observa-se que, o momento em que uma pessoa é exposta a uma situação fóbica, a crise de ansiedade mais se parece a uma crise de pânico. No caso de uma avaliação profissional, o portador de fobia social mesmo sendo aprovado em uma primeira fase de seleção fará de tudo para não comparecer nas demais fases, por se sentir extremamente desconfortável com as avaliações.

Existem alguns outros sintomas importantes que caracterizam a fobia social, que são:

Sudorese;

Sensação de trava na garganta;

Rosto fica corado muito rápido;

Dificuldade para falar claramente;

Mal estar;

Diarreia;

Tonturas;

Falta de ar;

Baixa autoestima;

Vontade de sair do local onde se encontra, o quanto antes;

Concordar com todas as opiniões com medo de serem confrontados;

Preocupação em ser observado;

Ansiedade antecipada;

Sofrimento antecipado principalmente quando é planejada alguma apresentação pública.

Profissionais que sofrem de transtorno de ansiedade social não se adaptam ao ambiente de trabalho sob pressão, apresentando algumas situações que precisam ser tratadas através de tratamento psiquiátrico. Muitas vezes o fato de concordarem com tudo evitando julgamentos ou confrontos não é uma situação que os agradem, mas uma maneira de evitarem serem expostas perante os demais colegas de trabalho.

Profissionais com fobia social não podem desempenhar certas funções, principalmente aquelas que necessitam contato com o público. Apresentações, reuniões, exposições, eventos, e demais atividades que envolvem os profissionais com outras pessoas podem tornar-se um problema crônico no desenvolvimento destas atividades pelos portadores do transtorno de ansiedade social.

Quando em tratamento, os portadores podem apresentar comportamentos hostis e agressivos, muitas vezes contrárias à docilidade apresentadas por elas antes do tratamento. A eficácia de um bom tratamento psiquiátrico possibilita que os portadores deste transtorno não manifestem mais a doença, e possam ter uma vida normal ao longo dos anos.


Os artigos aqui publicados e este blog estão protegidos pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo os artigos aqui expostos, pois estão todos registrados.


Licença Creative Commons
O trabalho Comportamento: “fobia social” de Marisa Fonseca Dinizestá licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2014/02/comportamento-fobia-social.html.

Como se livrar dos chatos da internet

 Marisa Fonseca Diniz



O aparecimento da internet facilitou o acesso a um grande número de informações de forma simultânea, além de aproximar pessoas, empresas e negócios de diversas localidades do mundo. Muitas empresas e pessoas tem se interessado em ampliar seus contatos profissionais e pessoais através das diversas redes profissionais e sociais existentes, a fim de estabelecerem uma rede de networking positiva. Porém, algumas pessoas não conseguem entender o significado e a importância da internet na formação positiva de uma rede de networking, e acabam agindo como um verdadeiro “mala sem alça”.

Entenda-se networking como uma expressão inglesa que representa uma rede de contatos que pode ser profissional, pessoal ou comercial. Quanto maior a rede de contatos de uma pessoa maiores serão as possibilidades dela conseguir realizar o fechamento de um negócio, se recolocar profissionalmente, obter informações detalhadas de algum serviço ou produto, entre outras vantagens.

O que os “chatos da internet” não conseguem entender é que, pessoas que estão ampliando suas redes de networking não têm interesses em adicionar pessoas interessadas em romances virtuais, compartilhar mensagens pessoais de suas vidas, participar de pirâmides ou compartilhar assuntos aleatórios aos seus objetivos. A rede de networking para ser considerada positiva tem que ser compartilhada por objetivos em comum, e tudo que foge do contexto acaba não sendo interessante.

Muitas vezes adicionamos determinados contatos na rede de networking que aparentemente possuem interesses em comuns, mas com o tempo percebemos que a pessoa não só mentiu em seu perfil como também está atrás de aventuras amorosas e acabam sendo um perfeito grude emocional. Como identificar e se livrar dos chatos da internet?

Aqui vão algumas dicas de como reconhecer os chatos, sem cair na arapuca das redes profissionais ou sociais, e livrar-se das “malas sem alça” da internet. Por mais conceituada que seja uma rede profissional ou social, todo cuidado é essencial ao adicionar um contato. Não confie 100% nos perfis, pois muitos deles são falsos ou mentirosos. Primeiramente, adicione as pessoas que você conhece pessoalmente, já trabalhou ou fez algum tipo de negócio.

Quando houver interesses em adicionar alguém que tenha interesses semelhantes, mas não o conhece pessoalmente sugiro pedir informações às pessoas de sua confiança, que possam fornecer informações e recomendarem o profissional em questão. Caso queira adicionar outros contatos, sugiro observar e correr dos seguintes perfis profissionais e pessoais:

O chato entendido: ele pode ter um perfil impecável e ser especialista em várias áreas de seu interesse, porém fique esperto, ele pode se transformar num chato indesejável principalmente se só ele falar e não permitir opiniões ou perguntas alheias. Este contato além de não acrescentar em nada pode ser bem inconveniente;

O chato nerd: às vezes caímos na besteira de achar que um contato nerd possa nos ajudar com algumas questões técnicas ou que podem nos acrescentar conhecimentos, mas nem sempre é assim. O conceito nerd é muito amplo, e muitas vezes os nerds acabam exagerando e demonstrando seu lado viciado, principalmente no que diz respeito à tecnologia;

O chato crítico: o crítico é aquele que vai bisbilhotar tudo sobre sua vida profissional, seus negócios e contatos. Sempre terá uma crítica a fazer, nem sempre construtiva, vai rebater suas opiniões e ainda vai tentar te convencer de que ele é o melhor contato que você possa ter. Dificilmente encontrará alguém que fale bem dele como negociador, profissional ou pessoa;

O chato simpático demais: o simpático nem sempre é o que aparenta ser, em geral, é apenas um manipulador de opiniões ou um interesseiro. Sempre prestativo está mais interessado nos seus contatos do que manter algum contato bilateral contigo. É o  estilo preguiçoso visa apenas ganhar no “mole” sem o menor esforço possível, seja cínico e caia fora;

O chato chorão: é o tipo que vai te adicionar e vai sempre falar que ninguém colabora com ele, dá dicas ou retribui as informações fornecidas. Sempre vai aproveitar para falar que está passando por uma situação difícil na qual não consegue um emprego ou fechar um bom negócio. Mas, a hora que você precisar dele para algum tipo de informação ou negócio vai ser o primeiro a dizer que vai te ajudar, mas some sem deixar rastros. Depois de meses vai aparecer do nada perguntando se você pode ajudá-lo com um emprego ou negócio, ninguém merece um contato “mala” desses;

O chato Dom Juan: quem já não teve o desprazer de ir a um congresso ou jantar de negócios e ter um chato estilo Dom Juan te seguindo? É o tipo de contato que não está interessado em fechar negócios, e sim de conquistar, sempre simpático, charmoso e engraçado tenta convencer que na vida tudo gira em torno da diversão. Saiba que este tipo de pessoa não respeita ninguém e nem se importa se a pessoa que está perseguindo é compromissada, pois ele só visa diversão e não acrescenta nada na sua rede de networking, fuja deste tipo de pessoa;

O chato vendedor: é aquele tipo de pessoa ou amigo que te adiciona nas redes profissionais ou sociais, e tenta te vender qualquer coisa desde a ideia de marketing multinível até polishop. Por mais que você argumente que não tem interesses em adquirir nada, ele dificilmente vai te escutar. Além de não acrescentar absolutamente nada na sua rede, vai tentar adicionar todos os seus contatos para poder vender os produtos ou somente a ideia. Seja sutil e caia fora de um chato desses;

O chato mentiroso: o perfil é recheado de mentiras, se você for um bom observador e pesquisar as informações verá que não vale a pena mantê-lo na sua rede de networking. Em geral, este tipo de pessoa só conta vantagens e se for confrontado vira bicho;

O chato sem noção:  em geral este é aquele contato que tem um perfil impecável, mas peca por não saber discernir contato profissional do pessoal ou do comercial, na verdade na mente dele tudo é proveitoso principalmente no que diz respeito a conquistas amorosas. Ele entende que rede profissional e social é a mesma coisa que site de relacionamento amoroso e sai caçando suas presas. Por mais que você tente se livrar da pessoa, mais ele se torna grudento e inconveniente. Você pode até excluí-lo, mas ele vai fazer de tudo para te mandar uma mensagem e dar uma de sentimental dizendo que não entendeu porque foi excluído dos contatos. A dica é ignore-o, pois é um verdadeiro “mala sem alça”.

Mantenha uma rede networking confiável e com contatos que realmente podem acrescentar conhecimentos ou ajudá-lo a realizar bons negócios. Contatos inúteis transformam sua rede de networking em um verdadeiro fracasso e podem acabar com sua reputação profissional, pessoal ou comercial. Pensem nisso!

Os artigos aqui publicados e este blog estão protegidos pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo os artigos aqui expostos, pois estão todos registrados.



Licença Creative Commons
O trabalho Como se livrar dos chatos da internet de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.



“A ira da natureza”

Marisa Fonseca Diniz

Nos anos subsequentes à Revolução Industrial no século XIX, a humanidade vem presenciando as diversas alterações climáticas que tem ocasionado uma série de transtornos ao meio ambiente. O desenvolvimento tecnológico da civilização moderna inicialmente baseou-se no carvão como fonte de energia para o funcionamento de usinas e fábricas.



A fuligem despejada na atmosfera é resultante da queima do carvão. A mistura de dióxido de enxofre combinado com vapor de água forma a solução de ácido sulfúrico que cai no meio ambiente em forma de chuva, mais conhecida como chuva ácida. Uma série de outras substâncias contaminam a atmosfera, o solo, os rios e os mares.


O acúmulo de monóxido de carbono, chumbo e óxidos de nitrogênio colaboram com a poluição ambiental. O impacto ambiental também é causado por resíduos de combustível de avião, de aerossóis, lixo doméstico e industrial, a poluição das águas pelos dejetos e resíduos despejados pelas indústrias, sobrecargas de ácidos e detergentes, por defensivos agrícolas, lixo atômico, e pelo desequilíbrio causado pelos desmatamentos, queimadas e a construção de barragens e represamento de rios que causam a morte de peixes, animais e vegetação contribuindo com o desequilíbrio dos ecossistemas.



O desenvolvimento incontrolado da racionalidade tecnocientífica guiada por regras visando apenas interesses econômicos e políticos tem feito com que os seres humanos assumam a responsabilidade não somente individual, mas coletiva das consequências de suas ações em escala mundial.

Os interesses econômicos das nações mais ricas  em relação ao meio ambiente, onde a maximização da extração dos recursos naturais e o seu uso indiscriminado tem provocado uma série de alterações climáticas nos últimos anos. A falta de interesses em investir um capital mínimo em ações de combate e conservação do meio ambiente tem sacrificado todos àqueles que são co-participantes deste meio, sendo a fome uma das maiores consequências deste ato.

Considerando-se o meio ambiente como tudo aquilo que cerca o  homem, sem restringir os fatores físicos, mas estendendo ao convívio social, as questões políticas e econômicas, podemos dizer que a vida cotidiana neste século está sendo a sobrevivência. Mantidas as estruturas sociais opressoras da maioria das nações elitizadas que se beneficiam da sucessão do poder econômico e político, o futuro não se mostra confiante.

Atualmente, as previsões apontam para um aumento de temperatura média em todo o planeta oscilando entre 1,5 a 4,5º C. O regime de chuvas é uma das maiores preocupações, pois é esperada uma diminuição nas precipitações de menor intensidade, e aumento das mais caudalosas. Essas variações afetam a retenção de água pelos solos e acentuam as épocas de seca.


O aumento da temperatura e as mudanças no regime de chuvas produzem alterações na distribuição de seres vivos e da vegetação. Alguns dos efeitos das mudanças climáticas é o derretimento dos gelos polares e o aumento dos níveis dos mares que afetam atualmente 40% da população mundial que vive em áreas litorâneas.



As providências a serem tomadas pelas grandes nações evitando o colapso ambiental e a possível destruição do planeta é simples, mas há falta de interesses políticos. A diminuição do consumo de combustíveis fósseis, a criação de políticas ambientais, o desenvolvimento de processos e energia sustentável em grande escala por um custo reduzido são as providências mais cabíveis na situação atual.

Ambientalistas, ecologistas, organizações pacificas e simpatizantes tem sido constantemente ameaçados por àqueles que não visam à conservação do meio ambiente, e sim a exploração e o lucro.

Somente com a conscientização das grandes nações e a educação da população poderemos vencer a batalha ambiental, enquanto isso não acontece, continuaremos sofrendo com a ira da natureza.


Os artigos aqui publicados e este blog estão protegidos pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo os artigos aqui expostos, pois estão todos registrados.


Fonte: fotos web

Licença Creative Commons
O trabalho “A ira da natureza” de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2014/02/a-ira-da-natureza.html.