Bem-vindos ao Brasil, um país sem lei



Marisa Fonseca Diniz





Parabéns a você que acabou de adquirir os ingressos para assistir os jogos da Copa do Mundo, e está ansioso para chegar ao Brasil e se divertir. Se você está com este pensamento então se prepare, porque a diversão já começa logo que você coloca os pés no país, no aeroporto terá a sensação de ter descido não em um país emergente, e sim num país de ninguém.

Imagine que aventura será você desembarcar no aeroporto e se deparar com o sistema burocrático de imigração, onde agilidade não é o lema principal dos serviços oferecidos. Fique esperto, pois poderá ter a infelicidade de ter seus pertences roubados antes mesmo do desembarque da bagagem, e só irá descobrir horas mais tarde. Lembre-se de nunca discutir com algum agente da Policia Federal, pois eles sempre têm razão sobre tudo e todos.

Quando finalmente conseguir pegar sua bagagem terá as opções de escolher ser assaltado no aeroporto por algum taxista clandestino ou usar as diversas opções de ônibus. Não se engane achando que o preço cobrado pelos taxistas ou pelo transporte será barato, já venha com várias notas de real trocado, pois ninguém trocará notas de R$ 50,00 ou R$ 100,00. Saiba que as tarifas já estão sendo reajustadas antecipadamente para você poder curtir melhor o país gastando bem mais do que o planejado.

Aprenda a falar e entender as gírias brasileiras, caso contrário se prepare para ser tapeado por algum espertinho. Apesar da presidente do Brasil insistir em dizer que o brasileiro é um povo hospitaleiro e simpático, não se engane porque aqui ninguém é bobo o suficiente para se deixar enganar.

Se ao chegar ao país você não estiver com reserva de hotel fique de espreita porque com certeza o taxista ou qualquer outro brasileiro te dará informações desencontradas, e você poderá parar em alguma comunidade violenta do eixo Rio – São Paulo. Onde os estranhos são recebidos a tiros, sem nenhum tipo de assistência policial, até porque nem os bandidos e nem a polícia se entendem, imagine se entenderão você que não fala português?

Se prepare para ser explorado por hotéis e pessoas mal intencionadas que insistem em achar que alugarão suas casas por valores exorbitantes aos estrangeiros. Prefira os hostels ou hotéis mais baratos fora do centro das cidades e longe dos estádios de futebol. Fique de olhos bem abertos e não ostente, aprenda a se vestir com roupas simples, chinelo de dedo, e não venha com smartphones de última geração, caso contrário você será vítima da bandidagem que vive por aqui.

Se você quiser se divertir em cidades badaladas como Rio de Janeiro e São Paulo terá que se precaver dos rolezinhos e arrastões em praias e lugares fechados, pois aqui no Brasil estes eventos estão na moda. Sempre leve com você um pouco de dinheiro trocado, pois se você for assaltado e não tiver nada de valor ou dinheiro, saiba que voltará para o seu país em um caixão.

Se você estiver na esperança de ver uma paisagem deslumbrante ao redor dos estádios brasileiros saiba, que a única coisa que irá encontrar é miséria. Por incrível que pareça, a maioria dos estádios da Copa estão ao lado de favelas violentas, residências populares, córregos poluídos e matagais imundos. E se prepare para não ser contaminado por insetos transmissores de dengue, malária ou febre amarela, por isso vacine-se antes de vir para o Brasil.

Traga com você repelentes e garrafas de água, pois o país possui invasão de mosquitos o ano todo, e há falta de água na região sudeste do país, uma vez que a região está enfrentando a pior estiagem dos últimos anos. Tenha um bom plano de seguro de saúde internacional, pois a rede pública de saúde do país não tem estrutura para cuidar de ninguém, e se você precisar dela poderá morrer na fila por falta de atendimento médico. 

Não espere uma infraestrutura de país desenvolvido, pois apesar de terem sido gastos mais de R$ 33 bilhões com as obras da Copa do Mundo, tudo está inacabado, pois aqui não há nunca comprometimento com a entrega de projetos em tempo hábil. Você com certeza vai se deparar com vários canteiros de obra nos aeroportos, entulhos jogados em vias públicas, acessos interditados, transporte público de péssima qualidade, lixo jogado pelas ruas, atrações turísticas abandonadas, e drogados morando debaixo de marquises dos centros históricos brasileiros. Mas, acima de tudo torça para não chover, pois a maioria dos estádios não tem cobertura, e as cidades não tem planejamento para a contenção de águas das chuvas.

Não se aventure a pegar o metrô de São Paulo nos horários de pico, praticamente o dia todo, pois os brasileiros não são educados e adoram empurrar, machucam e não respeitam ninguém. Há diariamente abusos sexuais e assaltos nos vagões e estações de trem e metrô. E não esqueça aqui no Brasil quando morre um chefe do tráfico ou de quadrilhas de assaltantes, os bandidos protestam a morte de seus companheiros queimando ônibus, e se você estiver em algum dos coletivos pode morrer torrado.

Não espere de maneira alguma conseguir informações em inglês, espanhol, alemão ou francês, pois o brasileiro mal sabe falar o português, imagine outro idioma? Os policiais brasileiros não falam inglês, portanto nem adianta pedir informações se sentirem perdidos nas cidades. Os poucos postos de informação ao turista ficam localizados em locais perigosos e isolados nos grandes centros urbanos, e também não há pessoas com formação em outros idiomas, será uma sorte se conseguir alguém que te entenda. Seja um bom interprete de mímica, talvez seja uma boa opção para se virar nas cidades onde os jogos acontecerão no país.

Caso você precise de dinheiro em grandes quantidades para poder se virar no país, não esqueça que a saidinha de banco é um dos crimes que mais acontece nas grandes cidades. Mas, não se preocupe porque além de ficar sem o dinheiro sacado você também ficará sem a vida.

Se  você apreciar manifestações poderá presenciar diversas durante a realização da Copa do Mundo, pois o Brasil está vivendo uma verdadeira guerra civil. Onde o governo federal faz de conta que não vê as reivindicações populares, e os policias descem o cassetete e atiram balas de borracha nos manifestantes e na população em geral, cuidado para você não ser preso por engano.

Ignore publicidades que incentivam o turismo sexual infantil, pois agora o país considera turismo sexual crime hediondo. E até você explicar o que estava fazendo, já desceram o cassetete em você, além de que ficará preso nos piores presídios brasileiros, onde os presos aqui não são tão legais quanto parecem, em geral eles matam quem agride crianças e mulheres.

Tenha sempre em mãos alguns contatos importantes, como telefone da embaixada do seu país de origem, contatos familiares e carregue com você muita fé, porque você vai precisar para sair vivo deste país. Mas, se nada disse for impedimento para você vir, venha e divirta-se, pois o Brasil é um país de ninguém, onde tudo que não presta é permitido.

E viva o país do futebol e do comunismo anarquista!

Os artigos aqui publicados e este blog estão protegidos pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo os artigos aqui expostos, pois estão todos registrados.

Licença Creative Commons
O trabalho Bem-vindos ao Brasil, um país sem lei de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2014/05/bem-vindos-ao-brasil-um-pais-sem-lei.html.

O mau uso do dinheiro público no Brasil


Marisa Fonseca Diniz

Em época de eleição, o que mais assistimos nas redes de telecomunicações brasileiras são campanhas eleitorais com candidatos prometendo de tudo, desde a construção de moradias até a criação de vagas de emprego. Porém, o que notamos é que, após as eleições as promessas eleitoreiras acabam desaparecendo, dando lugar à má gestão pública.

As promessas de construção de escolas, hospitais, moradias e toda infraestrutura necessária para o bom desenvolvimento da qualidade de vida do cidadão brasileiro, acaba sendo o pontapé inicial para gastança generalizada das verbas orçadas pelo governo anterior. Só nos primeiros quatro meses deste ano, o valor da arrecadação tributária já ultrapassa a R$ 600.000.000.000,00, imagine qual será o valor total no final do ano? Nem dá para imaginar, pois o valor é absurdamente astronômico, muitas vezes mal empregado e administrado.

Milhares de obras de infraestrutura estão paradas no Brasil, não por falta de verba, mas por falta de fiscalização e comprometimento do governo federal. A área educacional é uma das mais prejudicadas, o péssimo ensino oferecido a diversos alunos no Brasil coloca o país em 88ª lugar no ranking mundial, segundo a UNESCO. Porém, o problema não é apenas a qualidade do ensino, diversas obras de reforma e construção de novas escolas e creches estão paradas no país todo.

No agreste Pernambucano, a reforma da Escola Estadual Ana Faustina se arrasta desde 2010, a falta de estrutura atrapalha o rendimento das aulas, e a única coisa que se vê no local é muita sujeira e entulho esparramado pelas instalações. Sem previsão para dar continuidade às obras, a Secretaria de Educação e Esportes do Estado esclarece que a construtora responsável pela reforma não cumpriu as obrigações e atualmente responde processo administrativo por abandono da obra.



Há um novo processo licitatório em fase de elaboração prevista para agosto deste ano, onde será efetuada a troca da rede elétrica e a reforma das salas do prédio antigo da escola, os serviços estão orçados inicialmente em R$ 700 mil. O maior prejudicado neste impasse? O ALUNO.

No norte de Minas Gerais, mais especificamente na cidade de Januária, a obra inacabada da creche-escola do Programa Pro-Infância foi orçada em R$ 1 milhão em convênio com o Ministério da Educação, porém apenas 40% dos serviços foram efetuados. O dinheiro disponível para a conclusão da obra é insuficiente, e a atual administração da cidade diz não ter dinheiro suficiente para arcar com as despesas finais da creche-escola, sem previsão para a entrega.

Em Ilhéus na Bahia, a construção de uma creche-escola iniciada em julho de 2012 está paralisada há mais de um ano. A obra do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento em parceria com o governo municipal foi orçada em R$  1.228.516,17 e estava prevista para ser entregue em abril de 2013. O descaso das autoridades neste projeto prejudica alunos e mães que precisam de lugar apropriado para deixar seus filhos enquanto estão trabalhando. Como sempre o maior prejudicado é a POPULAÇÃO.



A  Escola de Educação Infantil-Creche do bairro São Cristovão, na cidade de Barras, Bahia está completamente abandoada. A obra orçada em R$ 617.978,90 teve início em fevereiro de 2012 e tinha previsão para ser entregue no segundo semestre do mesmo ano, porém está há mais de 1 ano e meio parada, sem previsão para ser retomada.



Em Jaguaquara também na Bahia, o descaso pelo dinheiro público  e o abandono da população escolar vai mais adiante, a creche-escola do bairro Casca orçada em R$ 1 milhão está abandonada há mais de 1 ano. A obra que iniciou em meados de 2012 e tinha previsão de ser entregue em 9 meses foi prorrogada para mais 270 dias a partir de janeiro de 2014, conforme aditivo firmado entre a prefeitura e a construtora em janeiro deste ano.



Na cidade de Cuiabá, Mato Grosso, a construção de uma creche municipal no residencial Ilza Therezinha Picoli Pagot iniciada em 2010 está abandonada e o mato cresce por todos os lados. A Secretaria Municipal de Educação da cidade de Cuiabá informou que esta é uma das 22 obras que começaram a ser erguidas na gestão municipal anterior, e que por motivos jurídicos foram interrompidas.

O atual Prefeito de Cuiabá informou que há previsão para concluir 30 centros de educação infantil até 2016, sendo que até o fim deste ano 12 delas já deverão estar concluídas e inauguradas.

No Jardim Santa Monica em Presidente Prudente, interior de São Paulo, a obra da escola estadual do bairro orçada em R$ 2,5 milhões foi paralisada devido a problemas técnicos impossibilitando a empreiteira a dar continuidade no projeto. O mato cresce nas instalações erguidas e os materiais encontram-se jogados no terreno sendo degradados pelo tempo. Ainda não há previsão para uma nova licitação, a fim de dar continuidade a obra.


A escola modelo projetada para o bairro Balneário Gaivota em Itanhaém é outra construção abandonada. Iniciada em outubro de 2011 tinha previsão para ser concluída em 18 meses, porém em dezembro de 2013 a prefeitura rescindiu o contrato com a construtora responsável pela obra, devido o não cumprimento de cláusulas contratuais e prazos de execução. A prefeitura de Itanhaém iniciou um novo processo licitatório e prevê o reinício das obras para o segundo semestre deste ano.


A creche do Jardim Califórnia na cidade de Sorocaba no interior de São Paulo é outro exemplo de obra abandonada. A obra está há mais de 2 anos parada, e só tem previsão de entrega para 2015. O prédio está pichado, as janelas estão cobertas por tapumes e falta parte do teto. A obra foi interditada em 2012 por engenheiros da segurança do trabalho da Secretaria da Educação do Município.



No Jardim Curitiba II em Goiânia, no ano de  2010 foi demolida uma escola  na região por estar com instalações ultrapassadas. O projeto para construir uma nova escola mais moderna e totalmente equipada no mesmo local foi orçada em R$ 4,2 milhões. A previsão para entrega da nova escola era em junho deste ano, porém a obra encontra-se totalmente abandonada abrigando bandidos, drogados, cobras e ratos.



Acima estão apenas alguns exemplos de obras estruturais da educação negligenciadas no país, porém há diversas outras construções abandonadas e atrasadas espalhadas pelo Brasil.

Há exatos quatro anos, durante a campanha eleitoral presidencial, foi prometida a construção de  6 mil creches e pré-escolas a serem entregues até o final de 2014, porém nem 50% deste total será entregue à população brasileira. Em março de 2011, a Presidente do Brasil assinou um convênio para a construção de 718 creches em 419 municípios brasileiros, e a entrega simbólica de 54 unidades construídas no país.

Falando a prefeitos presentes em cerimônia, Dilma anunciou na época que o governo mandaria ao Congresso Nacional medida provisória bancando o custo de manutenção das creches em construção e o inicio  dos repasses do Fundeb – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fonte: Infoglobo Comunicação e Participações S.A.).

Os convênios firmados para a construção destas unidades na época representavam R$ 800 milhões, e atenderiam aproximadamente 140 mil crianças, sendo que fariam parte do PAC-2. Na promessa de campanha este valor de investimento era de R$ 7,6 bilhões.

Além destas promessas de campanha eleitoral, a presidente não conseguiu até agora cumprir as seguintes promessas com relação à educação:

·        Aumentar para 7% do PIB os investimentos públicos em educação;
·        Erradicar o analfabetismo;
·        Dar prioridade à qualidade da educação;
·        Dar bolsa de estudos e apoio para que os alunos não abandonem a escola (não é Bolsa Família);
·       Dar especial atenção à formação continuada de professores para os níveis fundamental e médio;
·        Possibilitar que os professores tenham ao menos, curso universitário e remuneração condizente com sua importância;
·        Manter um piso salarial nacional para os professores;
·        Equipar as escolas com banda larga gratuita;
·        Construir mais escolas federais;
·        Proteger as crianças e os jovens da violência, do assédio das drogas e da imposição do trabalho em detrimento da formação escolar e acadêmica;
·       Construir escolas técnicas em municípios com mais de 50 mil habitantes ou que sejam polos de regiões;
·       Criar o ProMédio, programa de bolsa de estudo em instituições de ensino médio técnico, nos moldes do Universidade para Todos – ProUni;
·       Criar vagas em escolas privadas também por meio de financiamento com prazos longos e juros baixos. Se o aluno formado prestar serviço civil terá um grande desconto chegando a 100% se for técnico da saúde;
·       Garantir a qualificação do ensino universitário com ênfase na pós-graduação;
·       Expandir e interiorizar as universidades federais;
·       Ampliar o ProUni. (Fonte: Infoglobo Comunicação e Participações S.A).

Infelizmente, o que presenciamos hoje no Brasil é a queda da qualidade do ensino. As escolas públicas continuam sucateadas, e em várias regiões do país vemos alunos estudando em escolas com estruturas precárias, bem longe da realidade das promessas de campanha presidencial.





Quem sabe algum dia um político brasileiro honesto e de caráter queira seguir o exemplo da Finlândia, país considerado com a melhor qualidade de ensino e estrutura educacional no mundo. Seguir bons exemplos é sempre positivo, não só para a população como também para o desenvolvimento do país.



Atualmente a certeza que temos no Brasil é de que, nenhuma escola do país recebeu investimentos de mais de R$ 1 bilhão na construção, mobiliário, equipamentos, livros ou professores, do que os estádios da Copa do Mundo. Estádios estes que servirão de vitrine para a reeleição dos candidatos, que tornaram o país um dos piores do ranking mundial da educação.

Que nesta eleição todos os eleitores tenham consciência de que o importante é votar com o cérebro, e não com o pé chutando em qualquer político que vive de promessas baratas, corrupto e/ou mitomaníaco.

Os artigos aqui publicados e este blog estão protegidos pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo os artigos aqui expostos, pois estão todos registrados.

Fonte: fotos web