Você atrai, o que você é!


Marisa Fonseca Diniz




Parece estranha esta afirmação, mas é justamente isso que acontece quando as pessoas buscam o trabalho ou o relacionamento perfeito, e o que encontram é justamente o contrário. Não adianta estar com a alma machucada, o íntimo bagunçado, a vida de ponta cabeça ou endividado e acreditar que tudo pode mudar de uma hora para outra, o emprego ou a pessoa certa não irá bater na porta da vida, pedir para entrar, puxar a cadeira e sentar. Porque enquanto a vida estiver revirada, o sentimento machucado ou o caixa furado, infelizmente nada de bom irá acontecer.

As pessoas se enganam quando acreditam que a solução da vida delas se encontra naquele trabalho que vai proporcionar a elas um alto ganho financeiro ou o status de um cargo, quando não, na pior das hipóteses há aqueles indivíduos que acreditam piamente que a solução para todos os problemas é estar com alguém. A solução dos problemas não está em outra pessoa e muito menos no trabalho perfeito, mas sim no indivíduo que precisa admitir que necessita urgente fazer mudanças na própria vida.

Hipoteticamente há algumas comparações que devem ser vistas com seriedade para saber se as pessoas estão ou não preparadas para mudarem suas vidas. Vejamos, a vida como um grande guarda roupa, onde jogamos lá dentro tudo aquilo que nos desagrada, aqueles sapatos velhos e esturricados, as roupas amassadas e sem estilo, os acessórios quebrados que não tem mais conserto, e tudo em plena desordem.

Agora substituímos tudo isso por aquilo que desagrada e ficamos acumulando por anos dentro de nós, os relacionamentos destrutivos, impaciência, culpas, mágoas, intransigências, resistências, sonhos não realizados, falta de comunicação, ausência de entes queridos, falta de atitude, falta de comprometimento, desorganização espiritual e afetiva, esquecimento crônico das coisas, confusão mental tudo isso é o que nos impede de conseguirmos nos realizar pessoalmente ou profissionalmente. E não adianta insistirmos em querer achar que os outros é quem têm que mudar, porque nada irá sair do lugar.

Temos que ser a mudança que buscamos no meio em que vivemos, pois a partir do momento que damos este primeiro passo tudo ao nosso redor ficará mais claro. Não podemos querer o melhor emprego, o melhor relacionamento, a melhor casa, a melhor família se não estamos dispostos a mudar nossos pensamentos negativos e conceitos muitas vezes retrógrados que nos impulsionam para trás e não nos leva a lugar algum.

O fato é que em épocas de crise financeira ou pessoal, muitas pessoas preferem acusar os demais por seus fracassos, invés de olhar para dentro de si mesmo e ver o que realmente está colaborando para atrair tudo de ruim. A reflexão de todos os pontos negativos é um passo importante para quem quer ter uma vida próspera e agradável.

Não podemos esquecer que a vida é um espelho que reflete no dia-a-dia tudo aquilo que transmitimos e fazemos.  Não adianta achar que vamos colher flores se lançamos diariamente espinhos por onde passamos, a lei do retorno existe sim e não escolhe classe social e muito menos sobrenome. Se quisermos atrair coisas boas precisamos enxergar além do nosso mundinho tão pequeno e muitas vezes tão insignificante perante tantas oportunidades boas que a vida nos trás, e que muitas vezes deixamos passar por estarmos preocupados demais em não nos conhecer, e muito menos em querer nos corrigir.

Não é a rebeldia ou a bebida ou as drogas que nos fará mais forte ou nos impulsionará a ter uma mudança de vida, e sim a nossa consciência do quanto é importante fazer uma análise profunda e querer evoluir como pessoa, e ser um exemplo de vida para outras pessoas. Pequenos hábitos fazem toda a diferença, principalmente quando realmente queremos atrair coisas boas para a nossa vida.

Portanto, se você não está gostando do que está atraindo para si, comece a mudar suas atitudes, seja positivo, jogue fora tudo aquilo que te faz mal e te corroí substituindo por aquilo que te faz feliz, arrume seu guarda roupa interno, porque tenho certeza que só atrairá coisas boas daqui em diante!

Este artigo serve para todas as pessoas que precisam de incentivo para começar a colher coisas boas na vida!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Você atrai, o que você é! de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2016/01/voce-atrai-o-que-voce-e.html.

Por favor, fechem a Santa Casa de Misericórdia de SP


Marisa Fonseca Diniz




Misericórdia significa um sentimento de compaixão despertado pela miséria alheia ou pela desgraça, porém quando pensamos em instituição filantrópica e a maneira como as pessoas são tratadas mediante suas fragilidades físicas e psíquicas percebemos que a  menção da palavra misericórdia juntamente a “Santa Casa”, não significa absolutamente nada.

Instituição baseada na caridade, mas que explora os pacientes como cobaias de médicos e profissionais inexperientes, onde falta tudo, inclusive dignidade. Que tipo de instituição é essa que dá o melhor tratamento aqueles que têm dinheiro com os melhores equipamentos, recursos e profissionais, e ao mesmo tempo oferece hospitais sucateados, sujos, com profissionais esgotados, equipamentos enferrujados e quebrados aos menos abastados? Isso é ser caridoso?

Há dois anos, uma auditoria independente fez um levantamento nas contas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e constatou que havia um rombo financeiro nas contas da instituição, mais de R$ 773 milhões era o montante devido, ou seja, 78% a mais do que os R$ 433,5 milhões que constavam no relatório da instituição no mês de setembro daquele ano. Dados camuflados de uma gestão de péssima qualidade. Os maiores prejudicados são justamente aqueles que a irmandade tanto prega como sendo os maiores beneficiados da falsa “caridade”.

Sorte de quem nunca precisou de tratamento neste complexo hospitalar, porque além de não encontrar os recursos necessários para a cura de suas doenças crônicas corre o risco de sair de lá pior do que entrou. 

Especificamente, o complexo hospitalar da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo tem deixado muito a desejar, o pronto-socorro é uma vergonha, macas esparramadas pelos corredores, mendigos dormindo junto a pacientes na urgência, pacientes internados sem nenhuma condição de higiene, onde não há acomodações para todos os internados, ou seja, o que deveria ser um hospital não deixa de ser um depósito de pessoas doentes. Encontra-se de tudo por ali, desde acidentados, transplantados, pessoas com doenças contagiosas, presos, abandonados de rua, tudo, não há critérios.

A área destinada ao atendimento clínico é uma bagunça geral, os poucos funcionários que ali se encontram desdobram-se para conseguir atender a grande massa de pessoas que busca algum tipo de tratamento. A sujeira se propaga pelos corredores, banheiros mal conservados e cheirando a urina empesteiam os recintos ao redor.  

Os pacientes são tratados com desdém pelos médicos e residentes, aliás, pacientes com doenças crônicas não têm tratamento específico, pois cada vez que eles comparecem às consultas, um médico diferente os atende fazendo com que todo o tratamento se retarde. A ouvidoria do hospital não funciona, e as reclamações são sempre as mesmas, ou seja, o descaso é geral.

Os poucos exames que são coletados no complexo hospitalar, exigem sacrifícios de todos os doentes e muita paciência, as pessoas são obrigadas a madrugar nas filas, não importando a idade e muito menos suas restrições físicas, as salas de coleta não tem nenhum tipo de critério de higiene, e sabe-se lá como são feitas as análises, pois se o atendimento é feito de qualquer jeito, com certeza, o resultado também seja desta maneira.

Raramente se vê pelos corredores da instituição uma “freira caridosa”, e 
quando aparecem não é para acompanhar a situação dos pacientes e sim para recolher o dinheiro do caixa. Amor ao próximo? Ou amor pelo dinheiro? Muito se fala da corrupção nos sistemas de saúde pública, mas e nas instituições particulares que vivem levantando a bandeira de que são bons samaritanos?

Ora, não é possível que nenhuma autoridade neste país seja tão conveniente com esta situação de descaso. As pessoas estão cada dia mais duras a ponto de não sentir a mesma dor do outro? Por favor, fechem urgentemente esta instituição, pois ali mais parece um campo de concentração que mata silenciosamente as pessoas do que uma instituição benevolente que se preocupa em curar as pessoas. Instituições como estas envergonham os profissionais de medicina que realmente trabalham por amor a profissão e aos pacientes. Quantas mortes não devem ocorrer neste complexo por descaso a saúde? Até quando as pessoas vão continuar caladas com medo de denunciar estas instituições que vem colocando medo em seus pacientes ou seriam clientes, ou melhor, cobaias?

Por favor, já há doentes demais esparramados pelo país, as autoridades precisam ser conscientes de que não adianta doar ou repassar dinheiro público a uma instituição que se quer está preocupada com a vida das pessoas ou em administrar corretamente estes recursos, é um vexame ter um complexo hospitalar nestas situações, quando poderia ser considerada instituição de referência no país.

Ameaçar ou tentar calar aqueles que denunciam por meio de fotos ou artigos o caos não vai fazer com que nenhum dos integrantes da falsa caridade ganhe o céu, e sim vai colaborar para que mais mortes silenciosas aconteçam. Fechem esta vergonha nacional, chega de tantos corruptos!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Por favor, fechem a Santa Casa de Misericórdia de SP de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.