Negócios, o que temos que aprender com os animais


Marisa Fonseca Diniz



Desde 1929, o mundo está em crise econômica, porém apenas algumas pessoas possuem a capacidade de atenuar o problema em suas vidas, ou seja, poucos colocam o cérebro para funcionar e gerar ideias que fazem a diferença no mundo.

A mediocridade dos seres humanos está cada dia mais em alta, raras são as pessoas que se dão conta de qual é a sua verdadeira utilidade no mundo, seja a nível pessoal ou profissional. Em qualquer lugar o que mais escutamos são lamúrias, criar as próprias oportunidades ninguém parece se importar muito com isso. 

Quando o problema se estende aos negócios as desculpas são ainda piores, as pessoas reclamam e esperam que a solução de suas vidas venha da parte do governo, dos amigos, parentes, empregadores ou parceiros de negócios, quando quem deveria dar o primeiro passo e mudar a situação são elas mesmas.

Quando olhamos para  trás percebemos a quantidade de pessoas que um dia a crise tentou derrotá-las, mas jamais se deixaram vencer pelas críticas e pelo pessimismo alheio. Mohed Altrad, Walt Disney, Mark Twain, Steve Jobs, Henry Ford, entre tantos outros exemplos de pessoas que não desistiram perante as adversidades e seguiram adiante com suas ideias.

Apesar de nem sempre o sucesso ser imediato, as pessoas precisam tirar do fracasso as melhores lições de que vale apena lutar por seus ideais. O reino animal tem muito a ensinar aos seres humanos que já pensam em desistir antes mesmo de tentarem uma nova profissão ou oportunidade de trabalho.

A vida selvagem é uma eterna disputa por território, onde os animais medem sua capacidade de sobrevivência pela força e astúcia. Nos ares, na terra ou nas águas os bichos estão sempre em movimento, não desistem nunca, e é através do comportamento deles que deveríamos aprender mais como nos defender na hora de fazer negócios.

Aqui estão algumas dicas sobre os animais que valem ouro sobre comportamento, e que devem ser aplicados com cuidado nos negócios:

ü Abutres: as aves de rapina por serem predadoras possuem excelentes estratégias de caça. Os abutres são aves de busca e ataque. Os ataques em geral são rápidos e de pouca distancia, assim deveriam ser todos aqueles que visam trabalhar honestamente na área de negócios buscando bons negócios em curto espaço de tempo, porém com qualidade e não com “esperteza” acreditando que os demais envolvidos no processo sejam considerados tolos;

ü Águia: a rainha dos céus está associada com a coragem, força, soberania, beleza e imponência. A águia simboliza nobreza, majestade, liberdade e agilidade. Nos negócios é essencial que se tenha visão estratégica, talento, perspicácia e inteligência. Pois, somente quem tem visão de águia consegue sobreviver às instabilidades econômicas;

ü Coruja: é uma ave de rapina, tímida, solitária, discreta e de voo silencioso. O profissional de negócios deve ter características da coruja, inteligente e observador para não ser pego de surpresa nas negociações;

ü Cobra: são animais carnívoros rastejantes que engolem suas presas inteiras, e podem ser venenosas ou não e o mal que ocasionam é praticamente o mesmo. Quando se sentem acuadas atacam. Profissionais cobras é o que mais há nos negócios são falsos e quando se sentem acuados tendem a fazer um estrago danado;

ü Leão: é o rei das selvas, corajoso e líder nato, mas também é um caçador oportunista. No mundo dos negócios deve se ter um bom líder caçador, porém todo cuidado é pouco. Os oportunistas visam interesses próprios;

ü Raposa: animal territorial se comunica entre si e com os demais da mesma espécie por meio de expressões faciais, e gostam de marcar seu território por meio do cheiro. Maquiável certa vez disse: “Seja como uma raposa, pois ela é esperta e é capaz de descobrir as armadilhas.” Nos negócios é essencial ser raposa, principalmente quando se trabalha com alguns tipos de profissionais que são gatunos e gostam de trabalhar para várias pessoas ou empresas ao mesmo tempo, sempre querem levar vantagem. Nunca se contentam em ganhar honestamente, visam lucros do cliente e da empresa para quem trabalha;

ü Tubarão: animal marítimo capaz de captar vibrações de média e baixa frequência, além de correntes, mudanças de temperatura e pressão da água. São eficientes em detectar obstáculos e alimentos em águas turvas, e a aproximação de inimigo de grande porte. Assim devem ser os negociadores frente às correntes opostas das negociações precisam saber detectar as artimanhas dos concorrentes antes mesmo de lançar um produto ou ampliar canais de venda.

Saiba separar o joio do trigo dentro de uma equipe de negócios, pois depois de contaminado o campo só resta cortar o mal pela raiz. Antes mesmo de contratar uma boa equipe de profissionais ou decidir abrir uma empresa veja qual a melhor estratégia de ataque que poderá em tempos de crise render bons negócios e corra de pessoas pessimistas e aproveitadoras, pois além de não trazerem coisas boas tão poucos são úteis.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

 Licença Creative Commons
O trabalho Negócios, o que temos que aprender com os animais de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2015/07/negocios-o-que-temos-que-aprender-com.html.