Aperta a cordinha, que eu quero descer...

Marisa Fonseca Diniz


Brasileiro é um ser humano muito raro, em tempos de crise então, nem se fala, ele jamais abre mão dos luxos e supérfluos com medo do que os parentes e amigos vão falar. Status faz toda a diferença na vida do brasileiro mesmo que ele não tenha onde cair morto.

Brasileiro arrota caviar, come pão amanhecido com mortadela vencida, a da promoção, mas diz que é a mais cara. Brasileiro vai toda semana ao supermercado para comprar cerveja e carne do churrasco do final de semana, paga no crédito, não se importa em pagar juros exorbitantes, porque afinal não pode deixar de lado a tradição de fazer o churrasco com os amigos.

Brasileiro vai a todos os shows da moda sem se importar com a fatura do cartão de crédito até porque se estiver estourado, ele já está preparado tem no mínimo uns cinco cartões de bandeiras diferentes como garantia. Só não gosta mesmo é de exposição cultural, orquestra, nada muito sofisticado, não entende nada disso, tudo chato, cultura de boteco é mais legal.

Brasileiro é aquele que compra o carro do último modelo com todos os acessórios possíveis e imagináveis sem dinheiro, parcela a perder de vista, não paga IPVA, seguro nem pensar, todo mês atrasa uma ou outra parcela do carnê, quando não, deixa de pagar e fica fugindo dos bloqueios da polícia, porque deixar de andar de carro, nem pensar, mesmo que esteja com busca e apreensão, jamais o vizinho pode saber que ele deve até as calças, e andar de transporte público é coisa de pobre.

Brasileiro perde o plano de saúde porque não consegue pagar e quer ser atendido pelo serviço público com as mesmas regalias que tinha no privado, só falta levar cafezinho na bandeja para se sentir mais a vontade e ter bancos almofadados para ficar mais confortável.

Brasileiro compra IPhone último modelo sem saber usar, compra roupa de marca para desfilar na noite, vai para a balada de Uber para os amigos acharem que está indo de motorista particular, porque quem anda de buzão é pobretão, brasileiro é assim sempre tem que ter uma mulher bonitinha a tiracolo, caso contrário os colegas vão falar que ele não gosta da fruta, conteúdo para quê?

Brasileiro é sensacional em suas prioridades, compra TV digital porque usar conversor é horrível, salve, salve as empresas de eletrônicos que andam com os estoques encalhados, acredita em todas as mentiras contadas pelo governo, pela internet e escreve tudo errado, não consegue nem fazer conta básica de matemática, muito menos interpretar um texto, nada de ser diferente, estudar é bobagem.

Brasileiro pede dinheiro emprestado com a maior cara deslavada, e não paga, pior chora que está numa situação difícil, mas está sempre curtindo lugares caros, com o dinheiro emprestado dos outros. Reclama que está desempregado, mas na hora que consegue um trabalho, reclama e coloca um monte de impedimento para não aceitar o emprego.

Brasileiro fala mal da corrupção, mas não percebe que também é corrupto quando rouba no troco, pede a caneta emprestada e não devolve, quando fura a fila, quando tira o lugar do idoso no transporte público, quando se aproveita do direito alheio, quando passa a perna no parceiro de negócios, quando arranja um jeito para ganhar vantagem, engraçado como não percebe que é tão ou pior que os outros.

Brasileiro gosta de desfilar nas redes sociais, fazer foto com biquinho, biquini, sensualizar, publicar fotos em lugares internacionais para mostrar aos outros que tem vida de rico em plena crise, não importando se ele passou a perna em alguém para levar vantagem em algum projeto, o legal é dizer ao mundo que é um cara legal.

Brasileiro vai para os Estados Unidos comprar roupa de péssima qualidade, made in Indonésia, in Bangladesh, in China que explora  a mão de obra barata e compra a roupa a troco de banana para vender no Brasil a preço de ouro e dizer que é roupa chique, mas o americano mesmo acha que é roupa de péssima qualidade, ora, brasileiro é embrulhão mesmo.

Brasileiro vai para o exterior como turista e por lá fica com visto vencido, vivendo escondido com medo de ser pego pela imigração e ser deportado, trabalha em subempregos, se prostitui, se vende por nada. É difamado, ridicularizado e ainda sorri porque não entende o que o gringo fala. Fala mal do próprio país no exterior, e não faz absolutamente nada para mudar seu estilo de vida.

Brasileiro é assim vende a imagem de bom moço, mas embaixo da fantasia tem um perfeito palhaço abobalhado, que não sabe defender seus direitos, não fala direito, tem fama de bandido, corrupto, trambiqueiro e acha tudo normal. O Brasil é muito mais do que carnaval, mulher pelada, caipirinha, feijoada, polêmica, prostituição e futebol, ou seja, essa imagem negativa só tem nos levado cada dia mais para o buraco, por não nos considerarem um país sério.

Brasileiro prefere polêmicas a cultura, detesta guardar dinheiro porque se divertir é mais legal do que trabalhar honestamente, ler é chato legal é falar nois vai, nois vem, nois é legal. Gosta de se divertir com a própria desgraça e com a alheia mesmo que os outros o achem um bobalhão.

O Brasil só está vivo graças aqueles brasileiros honestos que trabalham muito para mudar a imagem do país, que não se importam em ficar por horas acordado estudando para ser uma pessoa diferente, que não hesitam em ajudar o próximo, que não denigre a imagem do país, mesmo sabendo que o país anda a beira do abismo. Os meus parabéns aqueles brasileiros que respeitam os direitos e as leis, aos que não pactuam com a corrupção e nem com a bandidagem que corre solta pelo país, aos que sabem que para o país mudar precisa dar o primeiro passo invés de ficar reclamando de tudo e todos.

A imagem de um país só muda quando a maioria de seus habitantes tem consciência de que a mudança tem que vir de dentro para fora. Os americanos, por exemplo, com todos os problemas pelos quais eles passam diariamente, não viajam para outros países e falam mal da pátria, não, eles são acima de tudo patriotas. Já que a maioria dos brasileiros que fala mal do próprio país adora vangloriar os americanos, por favor, copiem coisas boas, e não o que não presta.

Brasileiro precisa parar de criar polêmica achando que tem o rei dentro da barriga, quando na verdade o que tem é muita falta de bom senso com respeito a tudo. Estude política, economia, história e pare de ser partidários, porque isso não faz o país andar para frente, e sim atrasa o desenvolvimento. Trabalhe duro e pare de achar que salário é mais importante do que o trabalho, olhe além do que enxerga, porque é assim que as grandes potências surgem, não olhando para o próprio umbigo.

Esqueça a cultura da malandragem e seja honesto acima de tudo, porque além de abrir portas na vida, ajuda outras pessoas a serem mais humanas. 
Olhe ao redor e veja se não pode estender as mãos para ajudar quem já perdeu a dignidade quando foi morar na rua, pare de reclamar da situação, e mostre que tudo pode ser diferente.

O Brasil tem jeito sim, basta querer ser diferente, sucesso só vem com muito trabalho, honestidade e menos reclamação. Vista a camisa do BRASIL e seja diferente!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Aperta a cordinha, que eu quero descer... de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://marisadiniznetworking.blogspot.com/2017/03/aperta-cordinha-que-eu-quero-descer.html.


Preconceito nas Organizações


Marisa Fonseca Diniz


O mercado de trabalho nas últimas décadas vem tendo uma queda significativa na qualidade dos profissionais que desempenham suas funções nas mais variadas áreas. O que mais chama a atenção é a exclusão de profissionais capacitados das seleções de emprego, sendo o principal motivo: o preconceito.

O preconceito de raça, opção sexual, religião e gerações é fator decisório para as organizações empresariais excluírem profissionais altamente qualificados dos processos seletivos. A discriminação é a antítese da igualdade, ou seja, a negação do princípio de que todos são iguais perante a lei.

A discriminação é uma realidade quase tão antiga quanto o homem. Apesar de todos os esforços, o combate às suas diversas formas não é tarefa fácil, demandando o engajamento e a participação ativa dos órgãos internacionais, governos e sociedades envolvidas.

Os privilégios de classes sociais e a discriminação por sexo, raça, cor, origem, crença religiosa, idade, etc, além de macular os ideais mais elevados de qualquer sociedade põe em risco a própria sobrevivência do Estado e das organizações, pelos conflitos que gera.

O que deveria ser uma atitude abolida não somente pela sociedade como também pelas empresas vem tornando um problema cada vez maior. A falta de oportunidades de trabalho para certos grupos de profissionais excluídos das seleções tem sido o maior agravante para a falta de qualidade profissional nas empresas.

As empresas no Brasil ainda possuem conceitos atrasados no que se diz respeito a profissionais capacitados. Pessoas que não se encaixam nos padrões pré-estabelecidos são totalmente excluídas das oportunidades de trabalho ficando por longos períodos de tempo desempregados.

Os principais padrões pré-estabelecidos para a admissão de profissionais nas empresas são os seguintes:

ü Beleza;
ü Vestimentas;
ü Raça branca;
ü Sexo masculino/heterossexuais;
ü Idade de 25 a 35 anos.

Profissionais que não condizem com os pré-requisitos são imediatamente excluídos após a avaliação, seja do currículo ou de uma primeira entrevista. Por mais capacitado que seja o profissional nos quesitos experiência e conhecimento, raramente possui a oportunidade de explanar seus conhecimentos e concorrer livremente às vagas ofertadas.

Vamos entender melhor a seguir o que é uma organização empresarial e o preconceito, e porque é tão importante que as empresas se conscientizem da necessidade de admitirem profissionais pela qualificação e experiência e não pelos pré-requisitos determinados. 


Conceito de Organização Empresarial

A organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Por meio de uma organização torna-se possível perseguir e alcançar objetivos que seriam inatingíveis para uma pessoa. Uma grande empresa ou uma pequena oficina, um laboratório ou o corpo de bombeiros, um hospital ou uma escola são exemplos de organizações (Maximiano, 1992).

Qual a estrutura de uma organização?

A estrutura de uma organização pode ser:

ü Formal: é aquela que é planejada e estruturada seguindo um regulamento interno;

ü Informal: são as relações geradas espontaneamente entre as pessoas, resultado do próprio funcionamento e evolução da empresa.

O conjunto de elementos diretamente associados a uma organização é:

ü Clientes;
ü Fornecedores;
ü Concorrentes;
ü Comunicação social;
ü Funcionários;
ü Entre outros.


O que significa preconceito?

Preconceito = juízo pré-concebido

Tipos de Preconceitos:

ü Racial;
ü Linguístico;
ü Religioso;
ü Social;          
ü Sexual;
ü Gerações;
ü Entre outros.

Tipos de Preconceito

Social: é o preconceito generalizado aos indivíduos de toda uma classe social, aos quais são atribuídos traços de personalidade ou moral largamente homogêneos. Exemplo: considerar as pessoas pobres como preguiçosas ou incapazes.

Racial: ou racismo é a convicção sobre a superioridade de determinadas raças, com base em diferentes motivações, em especial as características físicas e outros traços do comportamento humano. Incluindo a xenofobia, homofobia e o bullying.

Sexual: é discriminar alguém pela sua orientação sexual. Exemplo: a não aceitação de homossexuais no mercado de trabalho, independentemente da capacitação e do potencial profissional que possuam.

Linguístico: é o julgamento depreciativo contra determinadas variedades linguísticas, geralmente atinge as variedades associadas a grupos de menor prestígio social.

Gerações: é a discriminação de faixas etárias ou gerações de profissionais diferentes no mercado de trabalho, impedindo-os de exercerem uma determinada função por motivos aleatórios à sua capacitação profissional.

Religioso: descreve a atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar as diferenças ou crenças religiosas de outrem.


Erradicando o Preconceito

As organizações empresariais precisam olhar os candidatos as vagas de emprego com outros olhos, deixando de lado o preconceito quanto à raça, o sexo, a crença, as gerações, a classe social e começar enxergar a pessoa como “profissional” com  características positivas, experiências e conhecimentos.

A partir do momento que as organizações começam a enxergar os potenciais profissionais de uma pessoa, acabam ganhando qualidade em seus processos e os profissionais competentes tendem a agregar valores tanto à empresa quanto aos serviços exercidos.

As pessoas devem ser vistas e reconhecidas pela sua capacidade e competência de exercer determinadas atividades, NUNCA como uma embalagem. Não devemos esquecer que a embalagem nem sempre faz o produto ter qualidade.

Os profissionais também deveriam ser tratados da mesma maneira, pois nem sempre aqueles que atendem aos requisitos pré-determinados são suficientemente competentes para assumirem funções de responsabilidade. Que as seleções sejam menos preconceituosas e mais justas.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.





Construção Civil Sustentável


Marisa Fonseca Diniz


O que significa Construção Civil?

Construção Civil é o termo que abrange todas as atividades de produção de obras, tais como: edifícios, pontes, barragens, rodovias, aeroportos, portos, túneis, canais de navegação, instalações prediais, saneamento, fundações, gerenciamento de sistemas de transportes, etc.

Os profissionais que participam diretamente das obras de construção civil são: engenheiros civis e elétricos, arquitetos e técnicos de outras disciplinas.

O que significa Sustentabilidade?

Latim = “sustentare”
Significado = defender, cuidar, sustentar.

O termo surgiu na Conferência das Nações Unidas Sobre o Meio Ambiente Humano realizado na cidade de Estocolmo em junho de 1972. Conferência de Estocolmo lançou bases para as ações ambientais a nível internacional chamando atenção principalmente para a degradação ambiental e a poluição.

O Plano de Ação define 23 princípios sendo que todos estão relacionados à preservação e melhoria do ambiente natural destacando a necessidade de apoio financeiro e assistência técnica às comunidades e países mais pobres.

O que significa desenvolvimento sustentável?

É satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras.

O que significa construção sustentável?

O conceito de construção sustentável baseia-se no desenvolvimento de modelos que permitam à construção civil enfrentar e propor soluções aos principais problemas ambientais de nossa época, sem renunciar à moderna tecnologia e a criação de edificações que atendam as necessidades de seus usuários.


Construção civil sustentável nada mais é do que utilizar materiais, equipamentos, processos e sistemas que não agridam o meio ambiente.
A Construção Civil Sustentável pode utilizar dois tipos diferentes de materiais em suas obras, que são: 

Material Natural;

Material Sustentável.

Materiais Naturais

Material Natural: é utilizado in natura e não utiliza nenhum tipo de processo industrial. Exemplos:

Bambu;
Palhas;
Terra;
Argila;
Pedra;
Madeira de Reflorestamento.

Materiais Sustentáveis

Material Sustentável: os materiais sustentáveis passam por processo industrial de transformação. Exemplos:

Telha ecológica;
Tijolos de PET;
Madeira plástica reciclada;
LED;
Tinta ecológica.
A utilização de materiais sustentáveis e a utilização consciente da água pelo setor da construção civil tende a colaborar com a preservação do meio ambiente proporcionando ganhos sociais e econômicos.


O processo construtivo sugerido a seguir utiliza processos, materiais naturais e sustentáveis que reduzem o impacto ambiental a nível global.












“A maior prova de amor que podemos proporcionar às futuras gerações é preservar hoje o meio ambiente em que vivemos”.  
Marisa Fonseca Diniz


Material elaborado por:

Comendadora Marisa Fonseca Diniz – Especialista em Construção Civil Sustentável e pela Colaboradora Gabriela Diniz e Silva, na edição das imagens.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Construção Civil Sustentável de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://marisadiniznetworking.blogspot.com/2017/03/construcao-civil-sustentavel.html.



O que faz um homem não reconhecer o sucesso de uma mulher?


Marisa Fonseca Diniz


A inveja é o desejo de possuir um bem ou habilidade que pertence à outra pessoa, ou seja, é almejar a todo custo às conquistas alheias. O sentimento de cobiça da riqueza, do conhecimento, da experiência, do brilho, das conquistas e da prosperidade alheia não acomete apenas pessoas do mesmo sexo, mas também do sexo oposto.

Nossa sociedade tem alguns paradigmas que não condizem com a realidade atual, principalmente quando o assunto é sobre mulheres que ganham premiações por reconhecimento de alguma causa, projeto idealizado por elas ou são bem sucedidas profissionalmente. O assunto do artigo de hoje tem a intenção de atingir todos aqueles que possuem pensamentos machistas em relação ao sucesso das mulheres.

O comportamento machista da sociedade expresso por meio de opiniões e atitudes de um indivíduo em recusa a aceitar a igualdade dos direitos e deveres entre os gêneros favorecendo e enaltecendo o sexo masculino sobre o feminino é retrogrado e inconsequente. Infelizmente, a cultura do machismo está impregnada nas raízes culturais da sociedade há séculos, o que compromete o sistema econômico e político mundial.

O regime patriarcal é regido pela figura do homem que representa a liderança sofre influência da miscigenação das culturas indígena, europeia e africana. 
No passado, a mulher era vista como uma pessoa indefesa, “um ser inanimado” e frágil, e os homens se colocavam como autoridade máxima da família cuidando dos negócios, defendendo a honra da família e descartando por completo qualquer papel mais relevante para a mulher.

A cultura machista do passado ainda é vivenciada nos dias atuais por várias famílias que consideram que o homem deve ser o único líder bem sucedido profissionalmente e socialmente, o que é um grande equívoco para o século XXI. No século passado as mulheres conquistaram o seu espaço, direitos e identidade deixando de ser apenas coadjuvantes na sociedade para serem líderes e provedoras.

O que abriu caminho para o reconhecimento das habilidades, experiências e conhecimentos das mulheres que tem contribuído para a evolução da sociedade mundial. As premiações podem ser das mais diversas áreas de atuação, o que deveria ser elogiado pela maioria dos homens tem causado inveja e discriminação. A inveja masculina está diretamente ligada à falta de reconhecimento dado a eles, por simplesmente acharem ser mais competentes do que as mulheres ou por deterem diversas certificações em universidades de renome mundial.

O que muitos homens não conseguem entender e nem aceitar é que os tempos mudaram, as mulheres se tornaram independentes e tem estudado cada vez mais, o que tem facilitado as suas conquistas. Cada dia mais mulheres tem conquistado seu espaço não por seus diplomas, e sim pela sua capacidade de desenvolver ideias e projetos que favorecem uma sociedade toda e não apenas um pequeno núcleo social ou corporativo.

A maior imaturidade masculina é tentar atingir uma mulher alegando que ela não é capaz de ter uma família, gerar filhos ou ter um companheiro, o que traduz que a pessoa não passa de um  fracassado profissional, pessoal e social. O machista  e invejoso não consegue enxergar que a mulher bem sucedida tem uma visão mais ampla, e que não depende mais da figura masculina para  alçar novos voos na vida pessoal e profissional.

Os homens que se sentem diretamente atingidos pelas mulheres bem sucedidas no empreendedorismo, na diretoria das empresas (não importando o tamanho da organização) e nas mais diversas áreas de atuação é aconselhável refletir melhor seus conceitos do que é ter sucesso, sejam menos infantis e aprendam com os demais homens que prêmios e comendas de honra ao mérito são dados aqueles que colaboram com a evolução da sociedade, não importando o gênero de quem recebe, pois todos são beneficiados.

As mulheres são mais que vencedoras e devem conquistar cada dia mais seu espaço e reconhecimento, não importando em que país elas vivem! 

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho O que faz um homem não reconhecer o sucesso de uma mulher? de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://marisadiniznetworking.blogspot.com/2017/03/o-que-faz-um-homem-nao-reconhecer-o.html.


Você sabe reconhecer uma oportunidade?


Marisa Fonseca Diniz


Oportunidade, segundo o dicionário é um substantivo feminino, e possui diversas definições. Vamos ver algumas delas:

·        Característica, particularidade ou condição do que é oportuno;
·        Circunstância favorável para que alguma coisa aconteça;
·        Ensejo: estava esperando a melhor oportunidade para lhe dar a notícia;
·        Situação que convém ou é apropriada para;
·        Circunstância oportuna;
·        Tempo que se dispõe;
·        Ocasião: ainda não foi ao cinema porque não teve oportunidade.

Nota-se claramente que há muitos significados e interpretações para uma única palavra, oportunidade, porém nem todas as pessoas sabem reconhecer uma oportunidade, e por quê? Para entendermos melhor este assunto é necessário descrever alguns fatos históricos e atuais.

A Grande Recessão ou crise global financeira deu inicio em setembro do ano de 2008, e foi a mais profunda crise desde a Grande Depressão em 1930. A Grande Recessão surgiu depois da bolha imobiliária norte-americana, vamos entender melhor sobre o assunto em questão.

No ano de 2002, os bancos americanos aproveitaram o nível baixo das taxas de juros e começaram a conceder empréstimos a hipotecas de alto risco para clientes que não possuíam uma boa avaliação de crédito no mercado, subprime, o crédito fácil fez aumentar a procura por imóveis no mercado e consequentemente o preço dos mesmos aumentou atraindo dessa maneira mais investidores ao mercado imobiliário ajudando a alavancar a economia americana por diversos anos, o que de certa maneira foi excelente, pois mais empregos foram criados fazendo com que a produção também aumentasse.
Com a economia aquecida, os juros foram impulsionados deixando muitos compradores em dificuldades para saldar suas dívidas juntamente aos bancos. As hipotecas começaram então a serem executadas fazendo com que os imóveis voltassem a ser colocados novamente a venda. O aumento da oferta por sua vez fez com que os preços caíssem e consequentemente a indústria da construção civil entrou em colapso e os títulos com base nos empréstimos subprime perderam valor fazendo com que a bolha imobiliária estourasse em 2008.

Instituições financeiras cujos negócios não estavam diretamente ligados a essa categoria de empréstimo acabaram mergulhando numa crise de confiança sem precedentes, o que fez com que suas operações de empréstimo em geral fossem totalmente suspensas gerando dessa maneira uma crise de crédito que contaminou o mundo todo em poucos dias.

Os efeitos da Grande Recessão foram alarmantes, ou seja, foi um efeito dominó que tomou conta de todo mundo, pois até os dias atuais muitos países estão sentindo o efeito da crise em atraso como é o caso do Brasil, apesar de muitos anos depois do ocorrido. Segundo a Organização Internacional do Trabalho – OIT, 20 milhões de empregos no mundo foram extintos no ano em que ocorreu o estouro da bolha imobiliária devido à forte recessão, sendo que em 2009 foram contabilizadas o fechamento de mais de 50 milhões de vagas de emprego devido à crise, os setores mais afetados globalmente foram os da construção civil, imobiliário, serviços financeiros e o automotivo. 

O novo relatório da Organização Internacional do Trabalho – OIT prevê que até o final deste ano de 2017 mais de 201 milhões de pessoas em todo o mundo estarão desempregadas, uma vez que, o ritmo de crescimento da força de trabalho supera a geração de empregos. O problema do desemprego não afeta apenas o Brasil, segundo o relatório da Organização das Nações Unidas – ONU a população mundial atualmente é de 7 bilhões e 200 milhões de habitantes, e está projetada para crescer cerca de 1 milhão nos próximos anos, agravando desta maneira a crise do desemprego, mais pessoas para comer e menos postos de trabalho disponíveis, ou seja, teremos mais pessoas passando fome no mundo e desocupadas, agravando diversas outras áreas.

A população atual do Brasil é de mais de 211 milhões, ou seja, a quantidade de desempregados em todo mundo corresponde a quase todos os habitantes do país, sendo 95% da população nacional. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, atualmente a taxa de desocupação no Brasil é de 12,9%, dados de fevereiro/2017, 12,9 milhões de pessoas em todo país estão desempregadas, porém o IBGE só considera desempregado quem não tem trabalho e procurou nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados, não incluindo aquelas pessoas que estão em busca de uma recolocação há mais tempo, o que supõe que a quantidade de pessoas sem emprego no país pode ser muito maior.

A Organização Internacional do Trabalho – OIT prevê que em 2017 o Brasil terá mais de 13,6 milhões de desempregados, sendo que a cada 3 novos desempregados no mundo neste ano, um será brasileiro. Agora imagine a quantidade de pessoas desempregadas em todo mundo desesperadas em busca de um trabalho? Muitos indivíduos não medem esforços para mudarem de país, cidade e nem área de atuação, muitas pessoas ao redor do mundo estão há tanto tempo sem renda que qualquer trabalho é bem vindo, independente de serem formalizados ou não. A partir deste pressuposto percebe-se claramente, que a crise não é exclusividade do Brasil, e sim global.

Como não bastassem os efeitos negativos da Grande Recessão Mundial estamos vivenciando em todo o mundo a 4ª Revolução Industrial, que é um projeto estratégico de alta tecnologia do governo da Alemanha, no qual vem sendo trabalhado desde 2013 para levar a produção a uma total independência da mão de obra humana. Entenda o que foram as Revoluções Industriais até hoje:

1ª Revolução Industrial mobilizou a mecanização da produção usando água e energia a vapor;

2ª Revolução Industrial introduziu a produção em massa com a ajuda da energia elétrica;

3ª Revolução Industrial ou revolução digital intensificou o uso de eletrônicos e a Tecnologia da Informação para automatizar ainda mais a produção.

A 4ª Revolução Industrial tem seis pontos chaves que orientam as empresas a identificarem e implementar a indústria 4.0, que são os seguintes:

Interoperabilidade: é a habilidade dos sistemas ciberfísicos, dos seres humanos e das Fábricas Inteligentes se conectarem e comunicarem através da internet das coisas e da computação em nuvem; 

Virtualização: é uma cópia virtual das Fábricas Inteligentes que é criada por sensores de dados interconectados com modelos de plantas virtuais e modelos de simulação; 

Descentralização: é a habilidade dos sistemas ciberfísicos das Fábricas Inteligentes tomarem decisões sem intervenção humana; 

Capacidade em Tempo-Real: a capacidade de coletar e analisar dados e entregar conhecimento derivado dessas análises imediatamente; 

Orientação a Serviço: oferecimento dos serviços através da computação em nuvem; 

Modularidade: adaptação flexível das Fábricas Inteligentes para requisitos mutáveis através da reposição ou expansão de módulos individuais.

A 4ª Revolução Industrial ou Indústria 4.0 desponta como o caminho natural para aumentar a competitividade por meio das tecnologias digitais sem precisar depender da mão de obra humana.  

No Brasil, apesar das empresas estarem em atraso na implantação da indústria 4.0, a Confederação Nacional da Indústria – CNI afirma que a integração das tecnologias físicas e digitais em todas as etapas do desenvolvimento de um produto ainda é complexa, pois 43% das empresas nacionais não identificam quais tecnologias possuem potencial para alavancar a competitividade. Nas empresas de pequeno porte o percentual é de 57%, porém nas grandes o percentual é menor, sendo apenas 32% do total.

A tendência em curto prazo é que todas as empresas nacionais se adequem a esta tendência mundial, a fim de poderem competir no mercado global. Note que as empresas que mais tem capacidade para gerar novas vagas de emprego são as que estão mais avançadas na implantação da Indústria 4.0, tanto é que o governo brasileiro tem pressa em aprovar novas modalidades de contratação de trabalhadores, a fim de que mais pessoas possam ter uma renda sem depender do emprego formal. O grande empecilho para que essas medidas sejam empregadas no país atualmente, tendo sido a cultura da resistência do cidadão brasileiro que acredita que as empresas e os governantes devem e tem a obrigação de criar apenas empregos formais, o que denota total falta de entendimento em economia, política e história permitindo que movimentos sindicais interfiram neste processo com a falsa promessa de que estão defendendo os interesses dos trabalhadores, quando na verdade tem consciência de que logo serão extintos.

O Brasil não tem autonomia internacional para implantar projetos que vão contra a maioria, ou seja, os países desenvolvidos, que de comum acordo estão cumprindo todos os princípios determinados nesta 4ª Revolução Industrial, que tem proporcionado um alto nível de desempregos no mundo. Há poucos anos atrás, o governo brasileiro incentivou os jovens a seguir carreira na área da tecnologia, pois já sabiam que muitos postos de trabalho seriam fechados e muitas oportunidades de trabalho surgiram nesta área em específico.

O brasileiro tem um conceito muito retrogrado principalmente em épocas de crise, ele não aceita empreender, mudar de área ou trabalhar sem ser em regime CLT, pois acredita que o mercado de trabalho possa vê-lo com maus olhos por acreditar que outras categorias denigrem a imagem do trabalhador, um erro, percebe-se claramente que muitos cidadãos com este pensamento ainda estão vivendo na época da 2ª Revolução Industrial.

Em contrapartida, profissionais e empreendedores preocupados com a atual situação no mercado de trabalho decidiram mudar suas estratégias, tem se atualizado a nova realidade, e começaram a investir seus recursos financeiros em áreas diferenciadas nas quais possam aplicar seus conhecimentos e proporcionar uma melhor qualidade de vida a sociedade de modo em geral, migrando dessa maneira para outras áreas de atuação, como exemplo, a sustentabilidade.

A idéia de desenvolvimento sustentável surgiu a partir do conceito do eco-desenvolvimento proposto na 1ª Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento realizado em 1972 na cidade de Estocolmo, na Suécia. A saber: “ Desenvolvimento Sustentável é aquele capaz de suprir as necessidades dos seres humanos da atualidade, sem comprometer a capacidade do planeta para atender as futuras gerações”. Muitos são os países que se adequaram a esta nova tendência, enquanto o Brasil ainda anda em passos lentos.

Transformar dificuldades em oportunidades faz todo sentido quando nos deparamos com o desenvolvimento de novas ideias, a inovação e sustentabilidade. Desenvolver produtos que possam no futuro próximo proporcionar melhores condições de vida ao ser humano, sem ter que agredir de maneira inexorável o meio ambiente faz toda a diferença para quem busca uma oportunidade no mercado de trabalho por vezes tão saturado e tão distante da realidade.

Várias são as oportunidades que podem ser criadas no mercado, basta olhar além do que se vê, arregaçar as mangas, deixar o medo de lado e seguir adiante na estrada que poderá levar ao sucesso. Se tropeçar e cair, levante e siga adiante, pois os erros fazem com que adquirimos conhecimentos e nos protegem de futuros tombos. Jamais desisitr, sempre continuar tentando, a fim de se adequar a nova realidade do mercado comercial.


Que este artigo possa abrir o horizonte dos profissionais que queiram fazer a diferença no mercado de trabalho, e não sejam mais uma na multidão, porque reconhecer uma oportunidade no mundo não é para muitos, apenas a sabedoria adquirida com o tempo e a experiência de vida é que permite que as pessoas possam transformar dificuldade em azo, independente dos certificados e diplomas conquistados!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Você sabe reconhecer uma oportunidade? de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://marisadiniznetworking.blogspot.com/2017/03/voce-sabe-reconhecer-uma-oportunidade.html.