MD Networking: 2015

Acabou...será?


Marisa Fonseca Diniz


Finalmente este ano está terminando, ano difícil, negócios parados, economia estagnada, dados nada animadores para o próximo ano, e como tudo, parece que as pessoas andam mais desanimadas do que outra coisa.

Nunca se viu querer tanto que um ano termine como este, o país do futuro está agora enlamaçado num pântano sem perspectivas de crescimento, que vergonha! Quando olhamos para trás percebemos que tudo isso poderia ter sido evitado se o país tivesse eleitores conscientes e culturalmente estudados, e não uma massa de ignorantes que acreditam em políticos labiosos, cheios de promessas furadas e baratas. A melhor arma de um povo desenvolvido é o voto, este tão ignorado pela a grande maioria, no qual prefere votar no populismo do quê no político correto.

Enquanto, os países desenvolvidos tentam se erguer da crise econômica global, o país tenta esconder a corrupção que sai pelos poros do governo, e para piorar a grande maioria dos envolvidos faz cara de paisagem como se nada de errado tivessem feito. O dinheiro suado pago pelos contribuintes honestos do Brasil indo para as cuecas, meias, bolsos e contas nos paraísos fiscais sem o menor constrangimento de quem o roubou, por outro lado o povo paga a conta da roubalheira, conta esta que nunca fecha.

Nunca se viu tanta má gestão pública como nas últimas décadas,  não importa a legenda partidária, pois parece que todos fizeram o mesmo tipo de curso de gestão, dos 100%  do dinheiro repassado às instituições a conta é sempre a mesma 99% desperdiçado em falcatruas, desvios e gastos desnecessários, e com os 1% que sobram tenta-se fazer milagres, principalmente se for para a educação,  saúde e segurança pública.

Projetos faraônicos foram criados para tentar desviar dinheiro público, o desperdício que poderia ter sido revertido à população e trazer benefícios ao país, hoje virou um transtorno. Nunca se viu tanto dinheiro saindo pelo ladrão, investimentos em prol a política comunista de outros países falidos governados por psicopatas e que pouco se importam com o empobrecimento da população, a conta quem paga? Ora o mesmo povo, que os elegeram e de quebra levaram junto aqueles que não os aprovavam.

Quando paramos para pensar que o país conseguiu baixar o índice de desenvolvimento e ficar atrás de economias mundiais mais estagnadas é de entristecer qualquer ser, pior ainda quando somos obrigados a escutar na mídia manipulada pelo governo que isso não interfere em nada na economia nacional.  Eles estão querendo enganar quem? É tanta mentira, sujeira, tanta falta de caráter que enoja dizer que se vive em um país democrático, que na verdade não passa de uma ilusão.

Governos autocráticos passando a imagem ao mundo de que está tudo bem, obrigado, quando na verdade várias medidas já foram tomadas por meio de medidas provisórias que ficaram efetivas, e tiraram o direito do cidadão de se manifestar ou reivindicar qualquer insatisfação, ou seja, é a maneira mais eficaz de se calar um povo.

A vida realmente deixou de ser um manto estrelado e passou a ser um inferno escaldante, o poder de compra sumiu, as famílias empobreceram, as indústrias ficaram ultrapassadas, quem nada tinha foi parar na rua, e os poucos empregados viraram pó num país onde o progresso parou no tempo há anos. Quem percebeu a crise antes dela estourar vendeu tudo e se mandou daqui, aliás, nem quer saber do país do carnaval e da farra sem fim.

Ah mas o “pão e circo” nunca deixou de ser uma ótima maneira de distrair o povo, primeiro vieram os eventos futebolísticos e por último as Olimpíadas, altos investimentos para depois ficarem abandonados sem nenhuma serventia ao povo. Realmente, o governo brasileiro deveria servir de exemplo para as fantasiosas histórias de Alice, que vivia em um mundo a parte da realidade.

Graças a Deus, que o ano está no fim, poucos dias para o término e que venha o próximo sabe-se lá como ficaremos todos nós afundados na lama da vergonha sem saber ao menos qual a direção que esta barcaça furada vai parar, mas nada do que festas e mais festas, férias, carnaval, olimpíadas, e lá vêm mais férias, eleições e festas, e o povo logo se esquece de tudo, continua votando errado, elegendo os mesmos canalhas e no final tudo acaba em pizza.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.



Por que alguns profissionais nunca chegarão a cargos de alta gestão?


Marisa Fonseca Diniz



O sonho de todas as pessoas que começam a trabalhar é chegar rápido a cargos de alta gestão para poderem conquistar fama, sucesso e um alto salário, porém muitos não chegarão nem na metade do caminho. O pensamento de que um cargo de alta gestão possa proporcionar todas estas “facilidades” é um erro, pois quanto mais se avança na carreira, maior é a responsabilidade e a necessidade de estar afiado ao mercado.

O que muitos profissionais desconhecem é que ao assumir um cargo de alta gestão se faz necessário alguns requisitos, e muitos não estão preparados e nem aptos para desempenharem a responsabilidade que os cargos de média gestão exigem, imaginem então os de alta?

Gestão significa gerenciar e administrar uma empresa ou uma entidade social de pessoas, seja, privadas, sociedades de economia mista ou sem fins lucrativos. Os profissionais de alta gestão são aqueles que ocupam cargos de confiança nas organizações, em geral são CEO, CFO, CHRO, CIO, CKO,CLO, CMO, COO, CRO, CSO, CTO, diretores, vice-presidentes, presidentes. São profissionais altamente capacitados e com vasta experiência em gestão de riscos empresariais, na verdade são indivíduos com expertise na área que atuam, porém com visão global.

Profissionais de alta gestão precisam ter algumas características fundamentais, e é justamente nestes quesitos que muitas pessoas acabam se atropelando em suas trajetórias laboriosas. Não basta ser apenas ambicioso se não possui algumas características básicas para alcançar cargos de alta gestão.

Há muitos profissionais que chegam a cargos de média gestão e acham que sabem tudo, porém quando são demitidos percebem que precisam muito mais do que apenas ambição para conseguirem uma nova recolocação, consequentemente ficam por longos períodos em busca de emprego e nada conseguem. A opção muitas vezes fica por conta de ter que abrir uma empresa própria, que pode faturar um bom dinheiro por um período de tempo, porém com o passar dos anos caí na estagnação e acaba sendo engolido pela concorrência e até mesmo o mercado forçando-os a mudarem seus conceitos ou seus segmentos de atuação.

As principais características que os profissionais necessitam ter para garantir uma promoção ou se manter nos cargos de alta gestão no concorrido mercado de trabalho, principalmente em momentos de crise são as seguintes:

ü Mediação;
ü Pró-Atividade;
ü Autoconfiança;
ü Liderança;
ü Controle;
ü Saber reter talentos;
ü Estar constantemente se atualizando;
ü Estar em sintonia com as novidades;
ü Saber trabalhar sobre pressão;
ü Assumir riscos.

Quem não possuir estes requisitos fatidicamente estará propenso a ficar pelo meio do caminho, pois os profissionais de alta gestão sempre trabalham muito além do horário normal de trabalho, abrindo muitas vezes mão da própria família, e quem hoje em dia está disposto a isso? Por isso muitos profissionais jamais chegarão a assumir um  cargo de alta gestão na vida!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Por que alguns profissionais nunca chegarão a cargos de alta gestão? de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.



O Brasil na contramão da sustentabilidade


Marisa Fonseca Diniz

Enquanto alguns países se preocupam em cuidar da natureza e desenvolver técnicas e produtos que contribuam para a sua preservação, o governo brasileiro pensa em como driblar os escândalos com o vazamento da barragem que se rompeu na cidade de Mariana, Minas Gerais, que deixou um rastro de destruição não apenas às pessoas que moravam na região como também ao meio ambiente.


Governo e universidades do mundo todo investem em estudos e pesquisas de novos processos e produtos que contribuem com a preservação do meio ambiente, enquanto o Brasil espera o milagre vir dos céus ou de algum político dos partidos aliados, que possa contribuir com a boa imagem do governo.

Ironicamente no Brasil tudo anda a passos lentos, os parques eólicos e solares que deveriam ser uma solução energética, acabam sendo um desperdício de dinheiro, tanto é que um grande percentual de parques eólicos não está ligado às linhas de transmissão, ou seja, não há como enviar energia aos usuários. Além do que, a quantidade destes parques é muito pequena em proporção a quantidade de usuários que necessitam de energia elétrica, outro percalço é a falta de incentivos em criar parques solares que sejam adequados ao tipo de clima tropical ficando restrito a alguns tipos de empreendimentos.


Os incentivos no Brasil são baixos na questão da energia renovável e construção civil sustentável até porque não há tantos técnicos capacitados nem no governo para avaliações, e nem nas empresas que ainda consideram a sustentabilidade um modismo por não entenderam qual o conceito e a importância da sua aplicação. O que há é muita desinformação, resistência e greenwashing.

Há algumas atitudes simples que podem ser adotadas por todas as pessoas interessadas no assunto bastam se interagir com os artigos publicados aqui no blog, e todos aqueles que tiverem interesses em saber um pouco mais sobre sustentabilidade ou processos e produtos da construção civil sustentável ou energia renovável podem deixar um comentário, pois eu desenvolvo projetos neste segmento e estou capacitada para dar consultoria nesta área de atuação.

Apesar de o Brasil estar ainda muito atrasado na criação de alternativas, ideias e pesquisas há alguns exemplos que vem de fora do país que servem de incentivo e exemplo para todos aqueles que como eu insisto no assunto. A startup Kemit-Ecology de Camarões desenvolveu uma ideia bem simples, mas que serve de exemplo para todos que se preocupam com o problema do lixo. As ruas e praças da cidade de Duala, em Camarões, são repletas de frutas, vegetais, cascas de banana, pó de café, espigas de milho, entre outros detritos, a ideia desenvolvida pela startup foi de transformar os resíduos em combustível.

A partir de julho de 2014, a empresa recolhe este lixo e utiliza como matéria-prima para produzir briquetes de carvão orgânico que são utilizados para cozinhar. O carvão orgânico emite baixos níveis de gás de efeito estufa, afirma Mueller Tenkeu Nandou o criador da ideia, os briquetes têm por objetivo substituir o carvão vegetal, já que a demanda no país é alta e o custo ambiental também.


O que antes era descartado e acumulava pelas ruas e praças hoje servem de combustível a um preço muito mais acessível e com menores níveis de poluição.

Agora imagine uma LED mais eficiente e mais sustentável? Esta é a proposta de uma equipe de materiais da Florida State University, pesquisadores desenvolveram um novo tipo de díodos emissores de luz utilizando um híbrido orgânico-inorgânico mais barato, brilhante com luzes produzidas em massa e que possam ser exibidas por um período mais longo.

O professor assistente de física Hanwei Gao, e o professor associado de engenharia química Biwu Ma está usando uma classe de materiais chamados perovskites de iodetos organometálicos para construir um LED mais eficiente.


Perovskites são materiais com o mesmo tipo de estrutura do cristal de óxido de titânio como o cálcio. Outros pesquisadores experimentaram os perovskites para construir LEDs no passado, mas não conseguiram construir nada tão eficaz. Depois de meses de experimentos usando química sintética para ajustar as propriedades dos materiais, e a engenharia do dispositivo para controlar as arquiteturas destes dispositivos finalmente criaram um LED que ficou melhor do que o esperado. Ele é medido em cerca de 10.000 candelas por metro quadrado a uma tensão de condução de 12V-candelas, que são a unidade de medida para a luminescência. O brilho excepcional e a alta eficiência se devem ao nanomaterial cristalino utilizado no experimento, o que proporciona também a sua fácil produção.

Engenheiros que tal a ideia de ter um aço que resista ao hidrogênio? Mágica? Não, este é o projeto que está sendo desenvolvido por um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford, na qual pretendem construir metais resistentes no futuro onde possam conservar a força do aço na presença do gás hidrogênio.


O aço é matéria-prima para diversos produtos desde o chassi de um carro, vigas de concreto armado, cabos de sustentação, motores a jato, etc., os avanços da tecnologia do aço de alta resistência poderiam permitir aos engenheiros um uso menor do material tornando possível a criação de estruturas mais leves, porém mais fortes. O importante é entender porque este estudo é tão importante, alguns aços podem sofrer uma diminuição da força quando expostos ao hidrogênio, o que significa que eles podem falhar quando submetidos a um décimo de tensão máxima do que possam suportar.  Um aço mais resistente proporcionaria maiores aplicações tanto do titânio para os produtos aeroespaciais, quanto dos aços revestidos de zircônio de hastes de energia nuclear.

Que tal interagir com a possibilidade de termos no futuro próximo um processo mais eficiente e barato para poder dessalinizar a água do mar? O sonho de transformar a água do mar em potável, proporcionando o seu uso racional na agricultura e outros processos, está próximo de acontecer. Os processos utilizados atualmente são muito onerosos.

Pensando nessa possibilidade uma equipe de pesquisadores do MIT veio com uma abordagem inovadora diferente da maioria dos sistemas de dessalinização tradicional, pois não separa os íons ou as moléculas de água com filtros, que podem ficar obstruídos e consome grandes quantidades de energia.

O sistema utiliza uma onda de choque de acionamento elétrico dentro de uma corrente de água que flui empurrando a água salgada para um lado e do fluxo de água fresca para o outro, permitindo a fácil separação das duas correntes. Esta nova abordagem é descrita na revista Environmental Science em um artigo do professor de engenharia química e matemática Martin Bazant.


A separação das membranas de íons e partículas é o principal foco deste novo sistema diferente dos processos tradicionais, que usam osmose inversa ou eletrodiálise. Em comparação com os sistemas tradicionais, o processo permite que as moléculas de água passem, mas bloqueiam os átomos maiores de sódio e cloro de sal.

Quem sabe com estas pesquisas inovadoras que utilizam a nanotecnologia poderemos ter um futuro mais sustentável, e com isso o governo brasileiro possa enxergar uma nova possibilidade de desenvolvimento econômico e social mais aceitável as próximas gerações?

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

 Licença Creative Commons
O trabalho O Brasil na contramão da sustentabilidade de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2015/11/o-brasil-na-contramao-da.html.

A ignorância mora ao lado


Marisa Fonseca Diniz


Nunca se viu tanta imbecilidade nas redes sociais e profissionais como atualmente, pessoas que se consideram catedráticas em determinadas áreas e que não possuem qualquer tipo de formação técnica ou universitária escrevendo notas de opinião condenando abertamente profissionais com expertise, e que supostamente acreditam estar tirando suas oportunidades de trabalho e emprego.

A inversão de valores destes indivíduos que condenam a maneira de trabalhar dos outros chega a ser patético, principalmente quando  o conteúdo redigido por eles é totalmente torpe. As pessoas têm direito de expor sua opinião, porém é ofensivo quando percebemos que invés de expressarem sua opinião acaba demonstrando sua total futilidade em assuntos que supostamente acreditam abranger.

Quanto maior o ego da pessoa que escreve a nota, pior, porque se percebe claramente o quanto se sente incomodada com o sucesso alheio. O sentimento de revolta em não ser visto como um profissional de destaque chega a ser cômico para não dizer trágico devido a sua falta de competência profissional e sua ignorância. Nunca se viu tantos indivíduos se autointitulando psicólogos, gestores, economistas, publicitários, engenheiros, entre outros, que se consideram entendidos nos mais diversos assuntos, e que na verdade não passam de grandes charlatões sem formação alguma.

Em épocas de crise econômica, o que mais se vê pelas redes é “experts” em internet, mídia social, marca pessoal e networking.  Os vulgos “entendidos” tem receita para tudo e todos, menos para a vida medíocre deles. Nunca se viu multiplicar tanto este tipo de charlatão como nos dias atuais, se torna até engraçado quando escrevem artigos falando mal de outros indivíduos que prometem sucesso por meio de forças ocultas, quando na verdade todos não passam de um bando de acusadores sem sentido. 

"Enquanto pensamos sermos donos da verdade, jogamos fora nossas oportunidade."
Edson Rufo

Como se não bastasse estes mesmo indivíduos sem noção, polêmicos e fracassados são os mesmos que insistem em dizer aos quatro cantos do planeta que são profissionais competentes e confiáveis, se sentem injustiçados por não terem reconhecimento em suas áreas de atuação, ficam totalmente incomodados quando são deixados de lado e não são chamados para eventos de grande repercussão em seus países de origem.

Quando não estes mesmos indivíduos começam a desfiar seu veneno e tentam convencer outras pessoas em países que falam o mesmo idioma de que são profissionais que não estão sendo valorizados como tal e por este motivo passam necessidades financeiras, fome e são obrigados a darem cursos e palestras de graça, a fim de serem projetados em suas áreas de atuação, sem se darem conta de que invés de melhorem sua marca pessoal acabam cometendo erros grotescos de falta de ética e noção. O que é totalmente justificado pela falta de formação escolar, porque não basta apenas fazer um cursinho qualquer e se considerar um gênio naquele segmento.

“Muitas pessoas criticando se achando os donos da verdade.
Apenas observe, e verás a máscara de muitos cair.”
Nycolle Marselhe

O último recurso do incompetente é o ataque, seja profissional, pessoal ou religioso, já que muitas vezes nem acreditam em Deus, e na cabeça deles é inconcebível que outros profissionais consigam obter sucesso, porque acreditam que eles estejam enganando pessoas indefesas com falsas promessas.

Péssimos profissionais existem em todas as áreas, o agravante é quando eles se sentem incomodados e acabam atacando gratuitamente uma série de outros profissionais que sabiamente não estão preocupados com a opinião alheia sobre o trabalho que executam. Ninguém em sã consciência é obrigado a comparecer em um curso ou evento sem sentir atraído por algo, seja uma receita pronta para o sucesso, compartilhar conhecimentos ou apenas experiências em comum.

“Os maiores mentirosos se julgam os donos da verdade.”
Josemar Bosi

Engana-se quem acha que a opinião de algumas pessoas possa causar algum mal estar em quem está à frente do sucesso, teorias só colocam em descrédito as pessoas que criam tempestades em copo d’água e nunca quem é o alvo do ataque. Quando um profissional competente se sente incomodado com algo que ele acredita que possa estar prejudicando-o diretamente, ele tende a se aperfeiçoar cada vez mais na sua área de atuação, a fim de que a concorrência não seja mais um problema e ele se torne um destaque.

Infelizmente, o nível mais baixo do incompetente ainda é o ataque e não a sabedoria em tentar contornar situações desagradáveis da concorrência, seja desleal ou não. Precisamos ter mais profissionais capacitados, e menos labiosos que focam a qualquer custo o poder ou o dinheiro ou a síndrome do pavão.  Há muita gente sem noção no mundo, que não agregam positivamente em nada a vida das pessoas, e denota a decadência profissional nos últimos anos.

O mais aterrorizador é quando estas mesmas pessoas se autoendeusam como superiores e escrevem livros e artigos de autoajuda ou de opinião que denotam a total falta de bom senso e competência para aconselharem qualquer pessoa, pois nem sempre seus exemplos são para serem seguidos, mas, mesmo assim eles se consideram intocáveis ou injustiçados pelo mercado profissional, quando na verdade deveriam procurar ajuda psiquiátrica e pararem de se sentir superiores a tudo e a todos.

Que o mundo ignore ofensas gratuitas de quem não tem nada de bom para oferecer ou que se considere perseguido por outros porque infelizmente a ignorância mora ao lado!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.


Investindo no Brasil


Marisa Fonseca Diniz



Atualmente, o Brasil está passando por situações políticas e econômicas adversas, porém o país ainda é tido como uma nação de oportunidades. O vasto território de um pouco mais de 8.515.000 km² e o clima tropical colaboram para o desenvolvimento de projetos sustentáveis, sendo a energia renovável um dos mais promissores projetos na geração de energia, que funcionam como uma alternativa produtiva para a substituição da energia gerada através da água.

A sustentabilidade é vista como o processo de um sistema que tem a função de interagir o ser humano com o mundo preservando o meio ambiente, a fim de não comprometer os recursos naturais das gerações futuras. Atualmente, a consciência da importância em conservar o meio ambiente garantindo um futuro promissor às próximas gerações tem feito com que a sustentabilidade não fique restrita apenas as questões ambientais como também integre as questões sociais, econômicas e energéticas.



Mediante a necessidade em conservar o meio ambiente há a necessidade de empresas desenvolverem métodos eficazes para a produção de materiais, equipamentos e processos eficientes para a construção de casas mais sustentáveis,além de equipamentos eficazes na geração de energia renovável.


Parcerias consistentes com empresas responsáveis e éticas podem alavancar e proporcionar o avanço da criação de processos, técnicas e produtos totalmente favoráveis à conservação do meio ambiente, sem deixar de lado a eficiência e a qualidade dos serviços prestados.  A ideia de integrar a área de desenvolvimento de negócios a projetos de engenharia sustentável tem a possibilidade de atingir todos os setores da economia,  e proporcionar a ampliação de uma rede de networking profissional com a indústria internacional da construção, por exemplo, a fim de atender todas as necessidades do mercado nacional.

O Brasil por ter recursos naturais em abundância, tais como: água, sol e ventos é o mercado ideal para receber investimentos estrangeiros interessados em implantar parques industriais dentro do seu território, a fim  produzir em larga escala equipamentos e materiais sustentáveis, que possam auxiliar a expansão do setor construtivo tão carente de moradias populares.

As oportunidades no mercado nacional são infinitas principalmente àqueles investidores cientes de que uma boa rentabilidade a médio e longo prazo se faz necessário, a sustentabilidade ainda é uma área nova no país, e sedenta de investimentos. 

Vale a pena investir em um país que tem grandes possibilidades de ser no futuro próximo um recordista na produção de energia limpa!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.


Por onde anda o bom senso?


Marisa Fonseca Diniz



O “bom senso” definitivamente está em falta no mundo, a cada dia que passa as pessoas perdem completamente a noção da seriedade seja na vida profissional ou pessoal, e pouco se importam com suas atitudes ou com as consequências que elas possam trazer para quem quer que seja.

A globalização que por um lado veio para ampliar as relações, por outro tem criado uma legião de pessoas aleatórias a ética corporativa.  O agravamento e o empobrecimento da economia mundial tem feito com que o pior do mercado profissional aflore instintivamente.  O que comprova que quanto maior o desespero das pessoas, maior será a maneira como elas irão tentar ganhar dinheiro a qualquer custo, nem que para isso tenham que agir de má fé ou manipular a opinião alheia.

Em todas as crises mundiais sempre se ouviu falar dos aproveitadores, ou seja, aqueles indivíduos que adoram explorar os outros, não importando em que ambiente se encontram. As desculpas para esta prática exploratória são as piores possíveis, que vão desde a falta de posicionamento de parcerias fadadas a um só dos lados ganhar dinheiro até a promessa do dinheiro fácil ou do emprego milagroso. O que comprova o quanto as pessoas são mal intencionadas quando o assunto se resume a dinheiro.

O bom senso realmente nunca é usado como argumentação de razoabilidade, muito pelo contrário, é ignorado pelas pessoas por falta de sabedoria de usá-lo de maneira correta.  Nas questões corporativas, o bom senso é fundamental nas tomadas de decisão, pois os gestores capacitados tendem a analisar todas as variáveis antes de tomar qualquer tipo de decisão, porém a falta deste senso crítico faz com que decisões sejam tomadas por impulso sem medirem as consequências dos atos.

Profissionais gananciosos e mal preparados para enfrentar as adversidades do mercado, atropelam processos e consegue perder até mesmo simples negociações por não visarem à ética, e sim o ganho. Porém, não percebem que invés de ganharem, perdem contatos, negócios e oportunidades de evoluírem em suas áreas de atuação.

A falta de bom senso, infelizmente não fica apenas restrita a uma determinada área e sim envolve diversos departamentos e setores corporativos. Profissionais que se baseiam em mentiras, desrespeito e falta de ética são os que mais deterioram a imagem de uma empresa e dos envolvidos.

Regras, normas ou processos são inteiramente ignorados por indivíduos que acreditam que eles são mais importantes do que todo o processo ético, atropelando quem estiver pela frente não importando com os danos que podem causar.

Estas mesmas pessoas que cometem estes equívocos nas empresas são os mesmos que não tem bom senso no dia a dia, seja em uma confraternização, em uma rede social ou até mesmo em uma conversa descontraída com os amigos. O comportamento antiético passa a ser normal e gafes terríveis são cometidas persistentemente.

O bom senso tem que fazer parte não apenas da ética corporativa, mas também da cultura do cidadão, a fim de que menos danos sejam causados a outrem. Por onde anda o bom senso mesmo?

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.


Qual o tamanho dos seus sonhos?


Marisa Fonseca Diniz



O mundo está em constante atividade, onde tudo muda muito rápido, principalmente quando o assunto é trabalho. Há anos o conceito trabalho vem mudando, o que antes significava segurança, hoje não passa de um assunto mais complexo, onde o processo é totalmente diferente da empregabilidade.

A crise econômica global fez com que o conceito mudasse e exigem mais envolvimento dos profissionais nas atividades desempenhadas, isto é, o perfil mudou e os profissionais precisam ser empreendedores. Porém, ainda há muitos profissionais que só se sentem seguros quando a carteira profissional está registrada como se a sua capacidade estivesse relacionada a isto, o que é um erro. As pessoas precisam pensar fora do seu mundinho, sem se acomodar e ficarem estagnados profissionalmente.

Todas as pessoas em algum momento de suas vidas já tiveram um sonho, seja abrir um negócio próprio, mudar de cidade ou até mesmo tiveram aquela ideia excepcional que mudaria a vida de  muitas pessoas, mas até onde as pessoas chegariam para ver realizado os seus sonhos?  Esta pergunta nem sempre tem respostas positivas, principalmente quando a maioria acredita que há uma crise econômica rondando suas vidas, e que não é o momento certo para investir em nada, ou seja, o medo é um dos piores inimigos das pessoas.

Quando não é o negativismo de amigos e familiares, que fazem de tudo para impedir que as pessoas realizem seus objetivos, sonhos e ideias. Em todo lugar há pessoas invejosas que começam a fazer críticas pesadas, a fim de que os idealizadores desistam do que almejam realizar. Alfinetadas que demonstram o quanto as pessoas gostam de prejudicar e sempre com  a desculpa de que querem evitar o pior, ou seja, já ficam praguejando a derrota.

As pessoas precisam ter consciência de que se elas não forem atrás dos seus sonhos e realizá-los ninguém mais fará, e pior, ainda podem ter seus sonhos e ideais roubadas por alguém mais valente a enfrentar todos os percalços e ainda transformá-los em ótimas oportunidades de negócios.

Vários são os exemplos de pessoas que fizeram com que o sonho se tornasse realidade sem ao menos terem um centavo para investir, mas em contra partida tinham muita disposição e determinação para seguirem adiante. Atualmente, a internet proporcionou a aproximação de investidores, inventores e empreendedores, e para aqueles que não dispõem de recursos e nem tecnologia há diversas linhas de crédito para colocar em prática as ideias.

Um bom planejamento e a viabilidade do negócio são muito importantes para transformar os sonhos em realidade, seja start up ou empresa. Ignore toda força negativa alheia, pois quem não ajuda só atrapalha, pior ainda quando o retorno não é imediato, sempre terá alguém que fará de tudo para infernizar a sua vida e falar que foi um péssimo investimento.

Não importa o tamanho dos seus sonhos, a pressão alheia, a falta de dinheiro ou a crise, o importante é realizar seus objetivos, pois emprego está em extinção e só sobreviverá quem for audacioso o suficiente para conquistar o seu espaço neste mundo globalizado. Caso contrário, o único sonho que conseguirão conquistar é aquele das vitrines nas  docerias e padarias espalhadas pelo mundo afora.

Qual o tamanho dos seus sonhos mesmo?

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Qual o tamanho dos seus sonhos? deMarisa Fonseca Diniz está licenciado com uma LicençaCreative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Você contrataria um paranoico?


Marisa Fonseca Diniz



A pergunta parece estranha, mas é  mais comum do que se pode imaginar. 
Raramente no dia-a-dia, as pessoas conseguem discernir comportamentos comuns dos paranoicos, pior ainda quando os portadores deste distúrbio se encontram no ambiente de trabalho ou são pessoas com diversos seguidores e contatos profissionais em redes sociais e profissionais. Os paranoicos podem ser um empreendedor, palestrante, médico, economista, webdesigner ou uma pessoa qualquer.

O transtorno de personalidade paranóide é um transtorno mental que muitas vezes é confundido por situações cotidianas e estresse. A paranoia pode passar despercebida, quando a pessoa portadora da síndrome se encontra bem ajustada na sociedade ou simplesmente pode ser gravíssima tornando o individuo incapaz. O diagnóstico nem sempre é fácil de ser detectado devido às diversas características paranóides.

Os traços deste transtorno aparecem no início da vida adulta e se não diagnosticados corretamente permanecem a vida toda prejudicando a adaptação dos seus portadores em  situações diárias, afetando o trabalho, as relações familiares, sociais, culturais, entre outros.

As principais características deste transtorno são:

ü Desconfiança;
ü Suspeita exagerada ou sem justificativa;
ü Enganos;
ü Rancores;
ü Ciúmes;
ü Hipersensibilidade;
ü Frieza e distancia;
ü Ocultamento;
ü Relações interpessoais;
ü Transtornos associados.

Os portadores deste transtorno são pessoas de difícil convivência e possuem frequentes problemas com relacionamentos íntimos. A desconfiança excessiva gera hostilidade que são expressas através de discussões agressivas, recorrentes e afastamento silencioso. São pessoas extremamente vigilantes a possíveis ameaças alheias reagindo de maneira reservada, frieza e afetivamente indiferentes. Aparentemente são vistos como pessoas racionais, objetivas e sem emoções, porém são obstinadas, sarcásticas e de expressões hostis e combativas.

Não confiam nas outras pessoas e possuem necessidade de serem autosuficientes com forte autonomia, além de possuir alto grau de controle dos indivíduos que os cercam. Rígidos, polêmicos, críticos em relação às pessoas e opiniões opostas. Possuem dificuldade em aceitar críticas delas mesmas, e quando alguém tem boas atitudes considera que estão entrando em uma emboscada. Culpam os amigos, familiares e companheiros por suas dificuldades e falta de oportunidades, além de serem perspicazes em acharem que todos estão contra eles por não conseguirem enxergar seus potenciais humanos e profissionais.

Estas pessoas possuem noções negativas  pré-concebidas que envolvem indivíduos e situações, onde eles atribuem motivações malévolas, quando na verdade não passam de projeções dos seus próprios medos. Suspeitam que as pessoas os explorem, enganem ou agridem verbalmente. Possuem preocupação e dúvidas injustificadas sobre lealdade e confiança de amigos, parceiros ou sócios. Relutam em fazer confidencias sobre sua vida por medo de acharem que as informações possam ser usadas contra eles próprios.

Tendem a interpretar significados ocultos em comentários amistosos, além de terem dificuldade em perdoar deslizes alheios e injúrias por serem muito rancorosos. Os elogios são sempre interpretados de maneira errada e tendem a inverter o significado entrando em conflito com as pessoas. Possuem uma hipervigilância a sua reputação e  reagem de maneira agressiva e rápida quando acreditam que estão sendo ofendidos e atacados. Suspeitam de seus parceiros sexuais e cônjuge achando que são infiéis.

Apresentam fantasias megalomaníacas, grandiosas e irreais muito mal encobertadas, sempre estão atentos a assuntos associados ao poder e hierarquia e tendem a desenvolver estereótipos negativos das outras pessoas que acreditam que possam descobrir o lado sombrio de seus comportamentos. Os paranóides tendem atrair a atenção de portadores de transtorno de personalidade histriônica, quando em busca de seus parceiros sexuais.

Os portadores deste transtorno são atraídos por formulações simplistas do mundo e evitam situações ambíguas. Conhecidos como fanáticos ou polêmicos em grupos estreitamente fechados, onde compartilham suas crenças paranóides através de suas teorias de que os outros é que são os verdadeiros enganadores.

O transtorno de personalidade paranóide pode estar associado ao transtorno depressivo maior, ao distúrbio de ansiedade e ao transtorno obsessivo compulsivo, além de haver abuso de álcool e outras substâncias.

Os portadores deste transtorno devem ter ciência de que precisam de acompanhamento de especialistas, seja psicólogo ou psiquiatra, a fim de amenizar os problemas no decorrer do tempo. Não é mera coincidência, pois podemos encontrar pessoas assim no trabalho, na sociedade ou até mesmo no mundo virtual, e neste caso todo cuidado é pouco.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

 Licença Creative Commons
O trabalho Você contrataria um paranoico para um evento? de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2015/08/voce-contrataria-um-paranoico-para-um.html.