20 de novembro de 2015

O Brasil na contramão da sustentabilidade


Marisa Fonseca Diniz

Enquanto alguns países se preocupam em cuidar da natureza e desenvolver técnicas e produtos que contribuam para a sua preservação, o governo brasileiro pensa em como driblar os escândalos com o vazamento da barragem que se rompeu na cidade de Mariana, Minas Gerais, que deixou um rastro de destruição não apenas às pessoas que moravam na região como também ao meio ambiente.


Governo e universidades do mundo todo investem em estudos e pesquisas de novos processos e produtos que contribuem com a preservação do meio ambiente, enquanto o Brasil espera o milagre vir dos céus ou de algum político dos partidos aliados, que possa contribuir com a boa imagem do governo.

Ironicamente no Brasil tudo anda a passos lentos, os parques eólicos e solares que deveriam ser uma solução energética, acabam sendo um desperdício de dinheiro, tanto é que um grande percentual de parques eólicos não está ligado às linhas de transmissão, ou seja, não há como enviar energia aos usuários. Além do que, a quantidade destes parques é muito pequena em proporção a quantidade de usuários que necessitam de energia elétrica, outro percalço é a falta de incentivos em criar parques solares que sejam adequados ao tipo de clima tropical ficando restrito a alguns tipos de empreendimentos.


Os incentivos no Brasil são baixos na questão da energia renovável e construção civil sustentável até porque não há tantos técnicos capacitados nem no governo para avaliações, e nem nas empresas que ainda consideram a sustentabilidade um modismo por não entenderam qual o conceito e a importância da sua aplicação. O que há é muita desinformação, resistência e greenwashing.

Há algumas atitudes simples que podem ser adotadas por todas as pessoas interessadas no assunto bastam se interagir com os artigos publicados aqui no blog, e todos aqueles que tiverem interesses em saber um pouco mais sobre sustentabilidade ou processos e produtos da construção civil sustentável ou energia renovável podem deixar um comentário, pois eu desenvolvo projetos neste segmento e estou capacitada para dar consultoria nesta área de atuação.

Apesar de o Brasil estar ainda muito atrasado na criação de alternativas, ideias e pesquisas há alguns exemplos que vem de fora do país que servem de incentivo e exemplo para todos aqueles que como eu insisto no assunto. A startup Kemit-Ecology de Camarões desenvolveu uma ideia bem simples, mas que serve de exemplo para todos que se preocupam com o problema do lixo. As ruas e praças da cidade de Duala, em Camarões, são repletas de frutas, vegetais, cascas de banana, pó de café, espigas de milho, entre outros detritos, a ideia desenvolvida pela startup foi de transformar os resíduos em combustível.

A partir de julho de 2014, a empresa recolhe este lixo e utiliza como matéria-prima para produzir briquetes de carvão orgânico que são utilizados para cozinhar. O carvão orgânico emite baixos níveis de gás de efeito estufa, afirma Mueller Tenkeu Nandou o criador da ideia, os briquetes têm por objetivo substituir o carvão vegetal, já que a demanda no país é alta e o custo ambiental também.


O que antes era descartado e acumulava pelas ruas e praças hoje servem de combustível a um preço muito mais acessível e com menores níveis de poluição.

Agora imagine uma LED mais eficiente e mais sustentável? Esta é a proposta de uma equipe de materiais da Florida State University, pesquisadores desenvolveram um novo tipo de díodos emissores de luz utilizando um híbrido orgânico-inorgânico mais barato, brilhante com luzes produzidas em massa e que possam ser exibidas por um período mais longo.

O professor assistente de física Hanwei Gao, e o professor associado de engenharia química Biwu Ma está usando uma classe de materiais chamados perovskites de iodetos organometálicos para construir um LED mais eficiente.


Perovskites são materiais com o mesmo tipo de estrutura do cristal de óxido de titânio como o cálcio. Outros pesquisadores experimentaram os perovskites para construir LEDs no passado, mas não conseguiram construir nada tão eficaz. Depois de meses de experimentos usando química sintética para ajustar as propriedades dos materiais, e a engenharia do dispositivo para controlar as arquiteturas destes dispositivos finalmente criaram um LED que ficou melhor do que o esperado. Ele é medido em cerca de 10.000 candelas por metro quadrado a uma tensão de condução de 12V-candelas, que são a unidade de medida para a luminescência. O brilho excepcional e a alta eficiência se devem ao nanomaterial cristalino utilizado no experimento, o que proporciona também a sua fácil produção.

Engenheiros que tal a ideia de ter um aço que resista ao hidrogênio? Mágica? Não, este é o projeto que está sendo desenvolvido por um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford, na qual pretendem construir metais resistentes no futuro onde possam conservar a força do aço na presença do gás hidrogênio.


O aço é matéria-prima para diversos produtos desde o chassi de um carro, vigas de concreto armado, cabos de sustentação, motores a jato, etc., os avanços da tecnologia do aço de alta resistência poderiam permitir aos engenheiros um uso menor do material tornando possível a criação de estruturas mais leves, porém mais fortes. O importante é entender porque este estudo é tão importante, alguns aços podem sofrer uma diminuição da força quando expostos ao hidrogênio, o que significa que eles podem falhar quando submetidos a um décimo de tensão máxima do que possam suportar.  Um aço mais resistente proporcionaria maiores aplicações tanto do titânio para os produtos aeroespaciais, quanto dos aços revestidos de zircônio de hastes de energia nuclear.

Que tal interagir com a possibilidade de termos no futuro próximo um processo mais eficiente e barato para poder dessalinizar a água do mar? O sonho de transformar a água do mar em potável, proporcionando o seu uso racional na agricultura e outros processos, está próximo de acontecer. Os processos utilizados atualmente são muito onerosos.

Pensando nessa possibilidade uma equipe de pesquisadores do MIT veio com uma abordagem inovadora diferente da maioria dos sistemas de dessalinização tradicional, pois não separa os íons ou as moléculas de água com filtros, que podem ficar obstruídos e consome grandes quantidades de energia.

O sistema utiliza uma onda de choque de acionamento elétrico dentro de uma corrente de água que flui empurrando a água salgada para um lado e do fluxo de água fresca para o outro, permitindo a fácil separação das duas correntes. Esta nova abordagem é descrita na revista Environmental Science em um artigo do professor de engenharia química e matemática Martin Bazant.


A separação das membranas de íons e partículas é o principal foco deste novo sistema diferente dos processos tradicionais, que usam osmose inversa ou eletrodiálise. Em comparação com os sistemas tradicionais, o processo permite que as moléculas de água passem, mas bloqueiam os átomos maiores de sódio e cloro de sal.

Quem sabe com estas pesquisas inovadoras que utilizam a nanotecnologia poderemos ter um futuro mais sustentável, e com isso o governo brasileiro possa enxergar uma nova possibilidade de desenvolvimento econômico e social mais aceitável as próximas gerações?

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

 Licença Creative Commons
O trabalho O Brasil na contramão da sustentabilidade de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://marisadiniznetworking.blogspot.com/2015/11/o-brasil-na-contramao-da.html.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.