Quando a confiança bate na trave...

Marisa Fonseca Diniz


O grande desafio de todo profissional que está à frente de uma organização é saber quando e como confiar nas pessoas que estão fazendo contato com a empresa, pois atualmente com a crise econômica e política que ronda o Brasil muitas empresas estão sendo alvo de pessoas mal intencionadas.
Trabalhar com desenvolvimento de novos produtos e mercados é sempre um desafio, principalmente porque devemos estar sempre atentos a comunicação das partes envolvidas, não basta apenas fluência nos idiomas necessários a comunicação, como também é necessário conhecer as práticas comerciais de cada país. O Brasil não é uma ilha, e sim um país aberto a todo tipo de negociação internacional.
A confiança é um dos quesitos essenciais para se concretizar qualquer negócio, quando não se está seguro em uma negociação, o risco de cometer gafes e o projeto não dar certo são enormes. Analisar fatos que circundam uma negociação é importante e necessário, pois não podemos deixar passar despercebido qualquer tipo de informação.
Conhecer as regras do protocolo internacional é sempre necessário, a fim de que não haja improbidade comercial nas negociações de produtos ou serviços. E quando não há reciprocidade nas relações? O diálogo entre as partes envolvidas é sempre muito importante, tentar explicar de maneira sutil como funcionam os parâmetros comerciais do país é uma das maneiras mais fáceis, mas nem sempre é aceito pela parte contrária.
Toda e qualquer negociação deve estar protocolada ou registrada, pois dependendo do tempo em que ela ocorreu sempre pode ficar alguma dúvida, e sem provas tudo fica mais difícil comprovar, principalmente quando se tem a intenção de firmar um contrato internacional entre os envolvidos na negociação.
Os desafios devem ser sempre enfrentados com otimismo, e nunca deixar de verificar até que ponto é ou não interessante manter a confiança avivada, pois quando não há segurança em uma negociação, o melhor a fazer é deixá-la bater na trave e recuar.



Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.



Licença Creative Commons
O trabalho Quando a confiança bate na trave... de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/quando-confianca-bate-na-trave.html.

Caminhos tortuosos levam ao fracasso

Marisa Fonseca Diniz




O ser humano sempre teve o desejo de obter o sucesso, não importando o preço a ser pago por ele, mas nem todas as pessoas conseguem ou tem o discernimento de saber como alcançá-lo. As constantes lutas diárias na vida pessoal ou profissional tem feito com que muitas pessoas percam o foco, e consequentemente acaba atraindo tudo aquilo que faz com que o sucesso fuja do seu caminho. Qual o segredo de se conseguir sucesso, então?
Sucesso é uma consequência positiva de sonhos e objetivos realizados, mas para obtê-lo há alguns segredinhos, que para muitos indivíduos é algo penoso. Fé, determinação, concentração, estratégia, e trabalho duro são apenas alguns dos segredos para almejar o tão sonhado sucesso tanto na vida pessoal como na profissional.
Trabalhar duro para muitas pessoas que perseguem o sucesso é algo extremamente complicado, pois o desejo ardente de querer realizar algum sonho nem sempre condiz com a vontade de querer trabalhar, pois muitos estão apenas atrás do sucesso sem ter que se esforçar muito para isso.
Engana-se quem acha que o sucesso só aparece da vontade de querer ter, não, o sucesso só chega depois de anos de esforço e determinação para realizar os sonhos ou alcançar as metas planejadas. Nada vêm fácil, quantos são aqueles que ficam anos na mesma situação com vontade apenas de mudar, mas não saem do lugar? O comodismo nunca foi uma boa saída para quem quer conquistar o sucesso em sua área de atuação.
O sucesso deve ser comparado ao desejo de emagrecer, não se deve ter apenas a vontade há a necessidade de consultar um especialista, um nutricionista e até mesmo um bom preparador físico, e porque tudo isso? Simplesmente pelo fato de que emagrecer de forma saudável requer a orientação de especialistas e não basta apenas deixar de comer alguns alimentos calóricos, há a necessidade também de fazer exercícios que irão auxiliar no metabolismo do organismo.
Da mesma maneira o sucesso deve ser tratado, não adianta querer sem se esforçar para acontecer. Muitos indivíduos invejam as pessoas bem sucedidas porque são acomodados e não querem pagar o preço da realização. Se pararmos para pensar quantas pessoas conhecemos que reclamam diariamente da situação difícil, porque não conseguem se recolocar no mercado de trabalho ou não conseguem realizar seus sonhos perderiamos a conta. O que acontece é que algumas pessoas esperam que tudo venha do céu não se esforçando para conseguir realizar seus anseios.
A vida não é um mar de rosas, e cada vez que a opção é seguir por atalhos ou caminhos tortuosos, maiores serão as dificuldades em alçar o tão sonhado sucesso chegando rapidamente ao fracasso. A distância entre sonhar e realizar é bastante grande assim como o sucesso e o fracasso. O importante é não se esquecer das lições básicas aprendidas no início da trajetória de vida de que para tudo deve-se ter determinação, esforço e dedicação, caso contrário invés de conseguirmos sucesso entraremos num redemoinho de fracassos sem precedentes.
Nunca desista de seus sonhos, mas não esqueça que a caminhada é árdua, a realização não vem da noite para o dia e num segundo pode escapar das mãos. Nada vem fácil ou cai do céu, esqueça o comodismo, arregace as mangas e vá à luta sem esquecer que uma boa estratégia ajuda e muito na realização do tão sonhado sucesso.



Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.



Licença Creative Commons
O trabalho Caminhos tortuosos levam ao fracasso de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/caminhos-tortuosos-levam-ao-fracasso.html.

Cuide da sua imagem pessoal nas redes profissionais



Marisa Fonseca Diniz



Algo muito interessante tem ocorrido nas redes profissionais e sociais, o quanto as pessoas perdem tempo reclamando e publicando inutilidades, na verdade as redes tem se transformado em um verdadeiro muro de lamentações e pichações.
Pessoas reclamam de tudo, da política, economia, dos profissionais de RH, empresários, segurança, não importa reclamam e muito, quando não, há alguns mais exaltados que não aceitam a opinião alheia e já vão de voadora nas respostas, falam mal, ofendem, criticam duramente, humilham, postam publicações com indiretas e não estão nem aí para ninguém.
Outros preferem chorar, ficam se lamentando nas redes profissionais mais conhecidas e se fazem de vítimas pela falta de emprego para ver se com esta atitude conseguem sensibilizar o coração dos recrutadores e empresários. Publicam infinitos currículos, enquanto os perfis continuam incompletos. Alguns indivíduos chegam ao extremo da dramatização, onde contam histórias de sofrimento por não conseguirem pagar suas contas ou se sentem injustiçados por não conseguirem uma recolocação, ora, vamos ter bom senso, a crise sempre existiu na história, não é novidade para ninguém.
Acredito que todas as pessoas que vivem reclamando e fazendo drama na rede não devem se atualizar com as notícias nem do próprio país e muito menos do resto do planeta. Ninguém tem o cuidado de zelar a própria marca pessoal, mesmo sabendo que os profissionais de RH e empresários estão sempre de olho nas atitudes de quem está em busca de uma recolocação no mercado de trabalho ou de alguma oportunidade de negócios, sejamos sinceros, certos profissionais são abomináveis para as empresas. 
Se todos os profissionais, que tem usado a rede para reclamarem de tudo e de todos aproveitassem melhor o tempo ocioso para fazer um bom networking e postarem artigos interessantes sobre seus conhecimentos e experiências tenho certeza que o objetivo principal de certas redes profissionais seria alcançado.
Ninguém deve esquecer o quanto é importante utilizar a rede de forma positiva, deixando transparecer o quanto a marca se faz presente na hora de debater assuntos interessantes, publicar artigos que denotam seus conhecimentos profissionais, além de não esquecer que um bom networking é muito importante.
É importante se mostrar interessado nas conexões que se agrega a própria rede, nada de ficar adicionando as pessoas e logo de cara ficar enviando currículo, pior ainda quando se agregam varias pessoas na mesma mensagem e não se tem o cuidado nem de se apresentar, acaba dando a impressão de que é tudo muito na baciada, ou seja, a sorte foi lançada, salvem-se quem puder.
Uma observação negativa é o fato das pessoas totalmente sem noção ficarem paquerando abertamente, rede profissional não é rede social ou de relacionamentos, bom senso é sempre bom, principalmente quando não se misturam as estações, apesar de que isso é muito mais comum do que se imagina, e não é exclusividade apenas de brasileiros, estrangeiros de certas regiões do planeta são ainda piores.
Que daqui em diante cada um faça a sua parte, de maneira consciente e o mais profissional possível, não se esquecendo do quanto é importante se dedicar mais a própria marca de maneira que renda bons frutos, seja para uma recolocação, negócios ou apenas conhecimentos e nada de ficar copiando ideias ou artigos alheios, porque neste caso tudo pode ir pelos ares e repercutir de maneira negativa.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.



Licença Creative Commons
O trabalho Cuide da sua imagem pessoal nas redes profissionais de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/cuide-da-sua-imagem-pessoal-nas-redes.html.

Faça do hoje o seu amanhã


Marisa Fonseca Diniz



O mercado global está sempre em constante movimento, e o que ontem era novidade, hoje não passa de algo retrógrado ou até mesmo esquecido. Os processos organizacionais têm sofrido constantes modificações, a fim de se adaptarem a necessidade de cada tipo de empresa.
No caso de empresas que trabalham com intermediação de negócios voltados a serviços sustentáveis de determinados segmentos econômicos, os processos organizacionais devem seguir um processo lógico e ético, nem tudo é plausível, principalmente quando a organização tem alguma certificação internacional na qual devem ser seguidos a risca todos os procedimentos assim determinados.
O pensamento de que sustentabilidade é apenas um modismo dos tempos modernos passa a ser um equivoco, quando não se tem o real conhecimento do que significa ser sustentável. Ser sustentável é ter a consciência de se aproveitar tudo que o mundo nos oferece hoje, sem comprometer a disponibilidade às futuras gerações.
Apesar de muitas pessoas escutarem ou lerem assuntos relacionados à sustentabilidade do meio ambiente, não podemos esquecer que vivemos neste meio, e que sustentabilidade não está apenas relacionada a alguns tipos de serviços ou produtos de determinados segmentos econômicos.
Todas as organizações podem ser sustentáveis desde que tenham em seus processos a ética como principal quesito. Atualmente, muitos profissionais e empresas têm se considerados éticos, porém não cumprem de fato com esta importante questão.
Não basta saber ser um bom negociador, por exemplo, se ao final do processo este profissional cometer alguns erros tidos como antiéticos, tais como, burlar processos comerciais, coagir ou até mesmo pagar propina a terceiros, a fim de obter algum benefício na negociação.
É importante ressaltar que devemos ter a consciência de que a área de negócios é muito visada por aqueles que supostamente se consideram acima de qualquer suspeita, sem conseguir distinguir os deslizes ou atitudes consideradas erradas levando uma organização a revelia devida à perda de sua boa reputação no mercado nacional ou internacional.
O que fazemos hoje em nossas organizações refletem amanhã nos nossos negócios, portanto antes de pensar em fazer algo ilegal que contrarie a conformidade dos fatos, analise os efeitos futuros. Faça do seu amanhã um reflexo positivo das suas ações atuais de maneira que o amanhã seja evolutivo e não retrógrado.
Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.



Licença Creative Commons
O trabalho Faça do hoje o seu amanhã de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/faca-do-hoje-o-seu-amanha.html.

As piores catástrofes naturais

Marisa Fonseca Diniz



O aquecimento global é um fenômeno caracterizado pelas alterações climáticas, e pelo aumento da temperatura média do planeta. O meio ambiente é constituído por fatores bióticos e fatores abióticos. Os fatores bióticos são todos os organismos vivos presentes no ecossistema, e os fatores abióticos são os fatores do ambiente físico, químico ou físico-químico que influem sobre o ser vivo, tais como: temperatura, luz, umidade, relevo do terreno, vento entre outros.


Após a Revolução Industrial, as sociedades desenvolvidas necessitaram cada vez mais de grandes quantidades de matéria e energia para a produção. Assim sendo foram obrigados a explorar o biótopo e a biocenose da maioria dos ecossistemas do planeta, a fim de obter fontes energéticas e alimentícias. A exploração gerou efeitos negativos, pois o deslocamento de um lugar para o outro em escala mundial implicou num gasto maior de energia, e uma produção maior de toneladas de lixo sólido que não é reciclado.

A superexploração vem ocorrendo de maneira contínua fazendo com que os ecossistemas se esgotem, e entrem em estado de regressão. A exploração contínua da energia extraída dos combustíveis fósseis vem sendo um dos vilões do aquecimento global, uma vez que, a queima destes combustíveis libera uma grande quantidade de gás carbônico na atmosfera.

As consequências do aquecimento global são diversificadas e complexas, que podem gerar danos irreversíveis à humanidade, tais como os desastres naturais. O desastre natural é uma catástrofe que ocorre quando um evento físico muito perigoso provoca danos extensos, tais como: erupção vulcânica, desabamentos, furacões, incêndios, inundação, tsunamis, terremoto, entre outros.

As maiores catástrofes naturais no mundo foram:

Enchente



Em julho de 2010, o Paquistão foi acometido por chuvas de monções que mataram 1961 pessoas. Os alagamentos deixaram mais de  20 milhões de paquistaneses desabrigados. A província de Nowshera foi uma das áreas mais afetadas.


Terremoto



Em maio de 1960 no Chile aconteceu o maior terremoto da história, 9,5 graus de magnitude causou a morte de mais de 2 mil pessoas.

Tsunami



A maior onda registrada por um tsunami aconteceu em julho de 1958 na baía de Lituya Bay, no Alasca com 1720 metros, muito maior que um prédio de 102 andares.


O tsunami mais arrasador do mundo aconteceu na Indonésia em 2004 deixando cerca de 166.000 mortos e deixando mais de 2 milhões de desabrigados na região.


Erupção Vulcânica



A maior erupção vulcânica aconteceu na Ilha de Krakatoa na Indonésia em agosto de 1883. Uma sucessão de erupções e explosões que durou 22 horas e deixou mais de 37 mil mortos.



Furacão



O tufão (oceano pacífico) de maior intensidade no mundo foi o Haiya em novembro de 2013 nas Filipinas com rachadas de vento de 275 km/h da categoria 5 o mais alto.

O furacão (oceano atlântico) Sandy foi o maior, e aconteceu nos Estados Unidos em 2012.  O furacão causou a morte de 286 pessoas, e foi responsável por mais de 47 milhões de euros em danos materiais superando o Katrina.



Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho As piores catástrofes naturais de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/as-piores-catastrofes-naturais.html.

Meio Ambiente: “praias”



Marisa Fonseca Diniz



Verão e férias chegando e logo pensamos em praia, uma formação geológica composta de partículas soltas de rocha em formato de areia ao longo da margem dos mares, rios e lagos. Não há nada mais desagradável do que, chegarmos a uma praia, e nos depararmos com o lixo depositado nas areias e mares.

A poluição é caracterizada pela presença de lixos sólidos e poluentes líquidos nas areias e águas dos mares e rios que são provenientes da atividade humana. Os mares muitas vezes são atingidos pelos seguintes poluidores:
  • Vazamentos de petróleo, óleo e outros produtos químicos;
  • Lixos sólidos como garrafas PET, ferros, vidros entre outros;
  • Esgoto doméstico e industrial;
  • Descarga de lama de dragagem;
  • Resíduos radioativos.
Várias são as consequências da poluição nas praias e nos mares, tais como:
  • Desequilíbrio ecológico;
  • Mortes de pássaros que se alimentam de peixes contaminados;
  • Degradação da região dos mangues;
  • Praias impróprias para o banho.
O último item sugere citar as praias mais poluídas ao redor do mundo, vejamos:

Praia de Goa, Índia 



A principal característica poluente das praias ao sul de Goa são a presença de vacas (animal sagrado) vagando ao redor dos banhistas com presença marcante de fezes e fecundação em diversos pontos da região. Precisa ter coragem para conviver com tanta sujeira.

Praia de Fujazhuang na China 


Imagine que emoção dividir espaço com mais de dez mil banhistas em uma faixa minúscula de cascalho que servem também como banheiro público? É pedir para ficar doente com certeza. 

Praia de Repulse Bay em Hong Kong 



Depois que o território foi devolvido à China na década de 1990, nunca mais as areias ficaram brancas novamente. As águas e areia estão cobertas por gordura humana provenientes de clínicas de lipoaspiração. Credo que nojo!

Praia de Blackpool no Reino Unido 



Seringas usadas, garrafas, cacos de vidro, copos de isopor e vômito ao longo da faixa de areia. Assim é a praia de blackpool um  local nada apropriado para tomar sol ou banho de mar.

Praia de Chowpatty na Índia


Acumulo de lixo ao longo da orla é comum por lá, mais parece um deposito de lixo aberto do que uma praia. Por lá o turista encontrará restos de comida em decomposição, jornais velhos e garrafas PET, difícil banhar-se por lá.

Praia de Marunda em Jacarta, Indonésia



A Indonésia é recordista em sujeira de praias, pois as utilizam como descarte de lixo sólido e em decomposição. Na próxima viagem descarte as praias de lá do seu roteiro.

Praia de Huntington na Califórnia, EUA



Não pense que o país do Tio Sam está ileso de contaminação ou poluição. Pois, saiba que a Praia de Huntington é o paraíso dos banhistas com crises de diarréia, cólicas estomacais e terrores noturnos. Os cientistas locais tentam entender desde 1998 porque estes problemas são tão recorrentes na região. Boa pergunta! 

Praia de Doheny State na Califórnia, EUA




Recordista em receber o prêmio de praia mais poluída da Califórnia. As amostras de água possuem alta concentração de mercúrio.

Praia de Odaiba no Japão




A alta concentração de poluição no local proporciona um presentinho nada agradável para quem vai visitar esta praia. Coceiras instantâneas, lesões cutâneas, bolhas abertas, náuseas e febre, quem quer se arriscar por lá? 


Praia de Seminyak em Bali



Esta praia é só para quem não se importa em tomar um refresco a beira mar sentindo o maravilhoso odor de fertilizante que, exala das fazendas ao redor.

Desejo uma ótima viagem aos aventureiros, e por favor fujam das praias poluídas. Não esqueçam que lugar de lixo é na lixeira, e não na areia ou no mar. A natureza agradece!


Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.



Licença Creative Commons
O trabalho Meio Ambiente: “praias” de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/meio-ambiente-praias.html.

As inovações da Arquitetura em Ferro


Marisa Fonseca Diniz

Durante a segunda metade do século XIX, o conceito arquitetônico era baseado na imitação de estilos do passado, a escolha ocorria em geral, segundo a função do edifício e sua localização. As igrejas eram de estilo gótico, mas as construções oficiais erguiam-se em estilo classicista, sendo que o uso estava sempre condicionado a um estilo histórico.



O ferro utilizado como material auxiliar da construção atingiu seu auge quando surgiu a possibilidade de se fabricar em série peças de ferro fundido que podiam ser transportadas e montadas de modo rápido e fácil. Os engenheiros idealizavam os desenhos de maneira rústica, sem a beleza da arquitetura que deveria ser histórica e baseada em um estilo.

O ferro inicialmente utilizado na construção de pontes ganhou popularidade nos pavilhões das exposições universais, tais como:

The Crystal Palace: 



Desenhado por Joseph Paxton, o edifício possuía 564 metros de comprimento, altura de 33 metros feita em ferro fundido e vidro erguido no Hyde Park em Londres construído para abrigar a Grande Exposição de 1851.

Galeria de Máquinas C.L.F. Dutert e V. Contamin:



A obra da galeria e a empresa de engenheiros foram construídas em ferro maciço com distância na base de sustentação de 117 m.

Torre Eiffel:


Alexandre Gustave Eiffel construiu a torre em ferro forjado com 305 metros de altura. 



O ferro foi utilizado também em outros tipos de edifícios, como a sala de leitura da Biblioteca Nacional, em Paris, obra de Henri Labrouste, 1862, acomodando-se próximo as formas históricas gerando espaço diáfano.

O desenvolvimento dos meios de transporte proporcionou uma série de novas construções de pontes de ferro, e a criação de novos equipamentos como as estações de comboios. A inovação das construções fez com que a engenharia utilizasse o ferro fundido na construção civil, que além do uso na produção de máquinas, também era utilizado em pontes, canais, aquedutos, ferrovias, colunas, janelas, gradis, bancadas, mercados e estufas.




Thomas Telfor, engenheiro civil foi referência na utilização do ferro como matéria-prima de pontes, canais, estradas e portos, além de ser um dos maiores construtores de estradas da Inglaterra. A ponte Craigellachie localizada na Escócia possui aproximadamente 46 metros de comprimento foi um empreendimento revolucionário à época da sua construção (1812 – 1814), pois usou um arco de extremamente delgado no qual não seria possível ser utilizada com construção de alvenaria tradicional. Em cada extremidade d estrutura há duas torres de 15 metros de alvenaria estilo medieval, que apresentam seteiras e ameias em miniaturas.

Outras obras importantes de Thomas Telfor são a Waterloo Bridge sobre o rio Conway construída em 1815 e a Galdon Bridge sobre o canal Birmingham de 1829.



Apesar de toda inovação estrutural no decorrer dos séculos, a arquitetura em ferro associada à tecnologia da engenharia civil se modernizou, e nos dias atuais vem sendo utilizada, principalmente nos arranha-céus de escritórios, sendo o Leiter Building um dos edifícios pioneiros da arquitetura moderna umas das correntes precursoras. Os movimentos vanguardistas europeus adotaram o aço como símbolo das conquistas técnicas e do progresso cultural, assim como nos Estados Unidos da América. No início dos anos 1900, este sistema construtivo marcou profundamente as produções arquitetônicas de movimentos como a Arte Nova e a Secessão Vienense.


Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho As inovações da Arquitetura em Ferro de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/as-inovacoes-da-arquitetura-em-ferro.html.

A importância dos canais


Marisa Fonseca Diniz


Canal de água é uma vala artificial revestida ou não de material propicio a sustentação e passagem da água. O desenvolvimento da humanidade fez com que o homem passasse a construir rios artificiais, ou seja, canais que estabelecessem ligações entre rios, lagos e mares, a fim de que pudessem ser utilizados inicialmente para a irrigação.


Os canais começaram a ser construídos a  partir dos anos 1878 a.C., sendo o canal oeste-leste que unia o Rio Nilo ao Mar Vermelho o mais famoso e importante da época, sendo reconstruído e modernizado, e atualmente constitui o Canal de Suez. Em 1869 d.C. o Canal de Suez foi aberto permitindo que os barcos provenientes do Mar do Mediterrâneo alcançassem o Mar Vermelho e o Oceano Índico sem a necessidade de contornarem a África.




A partir do século XVIII com a Revolução Industrial vários canais foram construídos na Inglaterra com a finalidade de acelerar o transporte de matérias-primas e levar o carvão às fábricas. A construção de ferrovias e rodovias tirou a importância dos canais no escoamento da produção industrial, porém os canais continuaram sendo construídos por toda a Europa com outras finalidades.


A Holanda começou a construir os canais a partir do século XVII com o intuito de defender a cidade de Amsterdam e administrar o excesso de água. O sistema de canais da Holanda é moderno e interliga hidrovias a canais radiais, que assumem a forma de um ventilador. A construção foi feita de oeste para leste formando um retângulo com todos os canais facilitando e ampliando o sistema de transporte fluvial na cidade, que possui mais de 100 km navegáveis.



Veneza foi construída sobre ilhotas separadas por canais que substituem as ruas comuns. A cidade é constituída por 177 canais, 400 pontes e 118 ilhas que atuam como canais rodoviários por onde trafegam diversos barcos entre passageiros e cargas.


A maior via aquática de Veneza é conhecida como o Grande Canal, por onde trafegam táxis aquáticos e vaporettis que fazem parte do transporte público da cidade.



O canal da Mancha que liga a Grã-Bretanha a França é um braço natural do Oceano Atlântico que une ao Mar do Norte. O canal tem aproximadamente 563 km de comprimento e 240 km de largura. São mais de 250 navios por dia que circulam pelo canal, os acidentes são raros na região devido as avançadas técnicas de engenharia aplicadas na circulação marítima.




O canal do Midi é um canal artificial que foi projetado no século XVII por Pierre-Paul Riquet, com 240 km de extensão é o canal mais antigo em funcionamento na Europa. O canal permite a comunicação entre o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo e ao longo do percurso há mais de 352 obras de artes entre pontes, eclusas e aquedutos.


Em 1996 foi classificado pelo UNESCO como Patrimônio da Humanidade, atualmente mais de 50 mil pessoas trafegam pelo canal que comporta apenas embarcações turísticas.



O canal Kiel foi inaugurado em 1895 na Alemanha, possui 98 km de extensão e liga o Mar do Norte ao Mar Báltico. Anualmente são mais de 45.000 embarcações trafegando no mar artificial, que é considerado um dos mais importantes da Europa.



O canal de Corinto liga o Golfo de Corinto ao Mar do Egeu passando pelo istmo de Corinto que separa a península do Peloponeso na Grécia. O canal começou a ser construído em 1881 e foi inaugurado em1893 com 6.3 km de extensão. A passagem do canal é muito estreita com apenas 21 metros de largura o suficiente para a passagem apenas de barcos turísticos ou pequenas embarcações, sendo impossível a passagem de grandes navios.



O canal do Panamá começou a ser construído em 1880 e foi concluído em 1914. É um canal marítimo de 81 km de extensão que corta o istmo do Panamá ligando ao Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico. O canal possui dois grupos de eclusas no lado do Oceano Pacífico e um no lado do Oceano Atlântico. Portas maciças de aço com 140 m de altura contrabalanceadas por um motor de 56 kW. A passagem das embarcações é feita em níveis diferentes de altitude, nas quais a água é bombeada a fim de erguer ou descer o navio de um nível a outro.



O canal do Panamá tem grande importância no comércio marítimo internacional de cargas, e seus maiores usuários são a China e os Estados Unidos.



Há canais que adotam o sistema de elevadores, grandes caixas metálicas cheias de água, onde as embarcações são colocadas e transportadas para níveis superiores e inferiores, como é o caso do canal de São Lourenço que foi construído em 1959 e tornou os Grandes Lagos entre o Canadá e os Estados Unidos acessíveis a transatlânticos.


Antes desta técnica moderna de engenharia mecânica, os barcos eram puxados ao longo dos canais por animais ou homens que caminhavam nas margens. Atualmente os navios se deslocam por si mesmo ao longo da maioria dos canais.




Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.


Licença Creative Commons
O trabalho A importância dos canais de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniznetworking.blogspot.com/2018/02/a-importancia-dos-canais.html.